CONTRATO

Atlético Mineiro dispensa Zé Luís e Ricardinho

Atlético Mineiro dispensa Zé Luís e Ricardinho
03/04/2011 08:42 - Superesportes


Depois das cobranças públicas feitas pelo técnico Dorival Júnior ao meia Daniel Carvalho, agora sobrou para o volante Zé Luís e para o armador Ricardinho. Segundo a assessoria de imprensa do Atlético, não jogam mais pelo time. Na segunda-feira, a diretoria explicará os motivos da saída dos atletas.

Fora dos planos para o restante da temporada, curiosamente, Ricardinho vinha atuando como titular do Galo. Ele só não atuou este ano no jogo contra o Villa Nova, dia 20 passado, quando estava suspenso. Contratado em setembro de 2009, Ricardinho defendeu o Atlético em 77 partidas, com 12 gols marcados. O armador tinha contrato com o Galo até o final deste ano.

Já Zé Luís atuou em seis jogos pelo Alvinegro este ano, porém, nos três últimos não foi utilizado pelo técnico Dorival Júnior. Essa foi a segunda passagem do jogador pelo Atlético. A primeira foi em 2004. No total, fez 101 partidas, com seis gols marcados. Também tinha contrato com o clube até o final do ano.

Antes de Zé Luís e Ricardinho, o elenco do Galo já havia sofrido outras quatro baixas, mas não foram por dispensa. Os atacantes Obina e Diego Tardelli foram negociados com o futebol chinês e russo, respectivamente. O meia Diego Souza pediu para deixar o Atlético e foi vendido para o Vasco. O atacante Jóbson também solicitou sua saída. A diretoria atleticana negocia com o Botafogo a devolução do atleta.

Depois de um bom começo de temporada, com o elenco montado sendo apontado como um dos melhores do futebol brasileiro, o time do Atlético caiu de produção e vem recebendo fortes críticas. Neste domingo, a equipe volta a campo para enfrentar o Democrata de Valadares pelo Estadual.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".