COXIM

Atingidos pela cheia contabilizam prejuízos

Atingidos pela cheia contabilizam prejuízos
10/03/2011 00:00 - EDIÇÃO DE NOTÍCIAS


Com a baixa do rio Taquari, cujo nível estava 5,40 metros ontem (09), a população começa contabilizar prejuízos. Na avenida Presidente Vargas, que margeia o rio, o cenário é de destruição. Muitos móveis danificados pela água estão sendo colocados para fora e devem ser recolhidos pelos lixeiros.

O nível mais alto do rio oscilou entre 6,10 e 6,15 metros, no domingo (06). A prefeitura chegou a interditar a avenida Presidente Vargas, que foi tomada pela água; assim como a ponte velha, onde a água batia na laje.

Segundo a Defesa Civil, o número de famílias de ribeirinhos retiradas de suas casas chega a 300. A maioria levada para casas de parentes, outras foram recebidas em ginásios e igrejas. O coordenador de Defesa Civil de Coxim, José Aluizio Muller, o Mandi, pede que os ribeirinhos esperem mais um pouco para voltar às suas residências.

“O Taquari ainda não está correndo em seu leito normal, ainda existem muitos pontos de alagamentos e a previsão ainda aponta para chuva durante a semana”, comentou o coordenador. De acordo com o Clima Tempo, até domingo (13), ainda pode chover 28 milímetros em Coxim. Para a maioria dos municípios da região a previsão também é de chuva.

A prefeitura montou uma central de atendimento as vítimas da enchente na praça do Pescador. As autoridades municipais acreditam que aproximadamente mil famílias tenham sido afetadas diretamente pela cheia do rio. Indiretamente o número é sete vezes maior e pode passar de 7 mil famílias, conforme a prefeitura.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".