Campo Grande - MS, sábado, 18 de agosto de 2018

MUNDO

Ataque no Marrocos foi feito por controle remoto, diz França

30 ABR 2011Por ESTADÃO19h:38

A explosão que matou 15 pessoas em Marrakesh, no Marrocos, foi acionada por um controle remoto, e não por um suicida como se previu anteriormente, afirmou o Ministro do Interior da França em uma entrevista publicada neste sábado, 30.

O ataque da quinta-feira, 28, atingiu um popular café em frente à praça Jamaa el-Fnaa na hora do almoço. Analistas de segurança ocidental atribuíram o ataque a militantes islâmicos com o objetivo de destruir a indústria de turismo do Marrocos.

Dois residentes no local afirmaram terem visto um suicida. Um site de notícias árabe disse que o ataque tinha sido cometido por um suicida que tinha saído recentemente da prisão. Mas as autoridades marroquinas não disseram que foi o responsável.

"Ao contrário do que foi dito anteriormente, não houve atentado suicida", afirmou Claude Gueant ao jornal semanal Le Journal du Dimanche. "Alguém deixou uma bolsa no chão e a bomba foi detonada por controle remoto."

A bomba continha pregos, nitrato de amônio e um alto explosivo chamado TATP, que também foi utilizado em uma série de atentados no sistema de metrô em Paris em 1995, disse.

Desafios

O ataque aumentou os desafios do rei Mohammed em um momento em que ele tenta evitar que as revoltas no mundo árabe cheguem ao seu país, que frequentemente é visto como um local de estabilidade em uma região inconstante.

Gueant disse ainda que sete dos 15 mortos eram de nacionalidade francesa, mas que o ataque não era para atingir a França.

Autoridades marroquinas disseram na sexta-feira que haviam identificado sete estrangeiros entre os mortos, incluindo foi franceses, dois canadenses, um holandês e dois marroquinos.
 

Leia Também