DOENÇA

Atacados por cachorro com raiva na Bolívia, pai e filho estão em Corumbá

Atacados por cachorro com raiva na Bolívia, pai e filho estão em Corumbá
24/01/2014 12:00 - DA REDAÇÃO


Júlio Franco Belaunde, 37 anos, e o filho, de 9, foram atacados por um cachorro com raiva na semana passada, na Bolívia. Os dois estão em tratamento, em Corumbá (MS). “Minha mãe havia adotado dois cachorros de rua, bem pequenos, cerca de um mês de vida, quando no domingo, 11 de janeiro, fomos visitá-la em Puerto Quijarro. Vimos que um dos cachorros estava triste, doente, então, eu e meu marido fomos medicá-lo. Meu esposo pegou o cachorro para colocar o remédio na boca, pensamos que ele tinha alguma infecção intestinal, então, o cachorro avançou e mordeu meu marido”, contou Neuza Gonçalves, esposa de Júlio. O casal mora em Corumbá, mas tem familiares na Bolívia.

Segundo Júlio, no primeiro momento, a família não desconfiava de que o cão poderia estar infectado pela doença. “Depois que eu fui mordido, fomos até um hospital e eu recebi uma injeção antitetânica. Voltamos para a casa de minha sogra e percebemos que algum tempo depois, o cão começou a estremecer e a espumar pela boca, morrendo em seguida. Ficamos desesperados, voltei ao mesmo hospital e relatei que o cachorro havia morrido e estava espumando. De imediato fui encaminhado ao Hospital de Corumbá, onde tomei a primeira dose dos medicamentos e agora tenho mais 4 doses para tomar ainda”, explicou.

A criança não chegou a ser mordida, porém, dois dias antes, o mesmo animal arranhou a perna do garoto que, por precaução, também está tomando medicação. O animal foi encaminhado ao Centro de Controle de Zoonoses de Corumbá (CCZ) e o resultado deu positivo para o vírus da raiva. Temendo novos ataques, o CCZ fez contato com as autoridades bolivianas para realizar alguma ação no país vizinho. 

(Com informações do Diário Corumbaense)

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".