domingo, 22 de julho de 2018

Ponta Porã

Assentado acusado de ameaçar mulher e criança

12 JAN 2011Por EDILSON JOSÉ ALVES, PONTA PORÃ00h:00

Uma mulher de 38 anos e o filho de 13 anos ficaram uma hora com armas de fogo apontadas para suas cabeças para que confessassem um crime que não cometeram. O fato se deu na segunda-feira, quando as vítimas seguiam de trator em uma estrada no interior do Assentamento Dorcelina Folador, em Ponta Porã.

O autor da ameaça foi identificado como sendo um vizinho de lote das vítimas, que agora está sendo procurado pela polícia. Segundo as informações repassadas pela Polícia Militar, o caso aconteceu no momento em que a trabalhadora rural e dona de casa E.V.V., de 38 anos, estava a caminho de casa acompanhada do filho de 13 anos. Os dois  foram abordados pelo assentado F.T.S., de 69 anos.

A mulher relatou aos policiais que o autor a obrigou a descer do trator e ficar ajoelhada aos seus pés. O acusado estava com duas armas de fogo, uma em cada mão. O cano de uma foi encostado na cabeça da vítima, momento em que o autor dizia para ela confessar que tinha furtado duas armas do seu sítio.

Como a mulher negava a prática de furto, o autor também obrigou o filho dela, um adolescente de 13 anos, a ficar ajoelhado no chão, instante em que encostou a outra arma na cabeça do menor. Testemunhas disseram à polícia que as ameaças perduraram por cerca de uma hora.

Como F.T.S., não conseguiu nenhuma confissão, mandou as vítimas se levantarem e desaparecerem, caso passassem novamente em frente ao seu lote, contrataria um pistoleiro paraguaio para executar mãe e filho. Os policiais fizeram rondas no Assentamento, mas não conseguiram localizar o acusado. O filho dele, identificado pelas iniciais F.T.N., encontrado pelos policiais, disse que não consegue entender o comportamento agressivo do vizinho.

Leia Também