Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assédio do público

20 ABR 10 - 20h:36

No comando de alguns dos principais jornalísticos da emissora, Sérgio lembra que se assustou com o assédio do público. Mas se anima ao falar do sucesso que fazia ao lado de Cid Moreira, com quem dividiu a apresentação do "Jornal nacional" e do Fantástico". "Diziam que a gente recebia mais cartas do que os atores. Eu chegava a receber sacos de correspondência", diverte-se.

Com disposição de sobra, Sérgio se dividia entre a Globo e os trabalhos publicitários, de onde garante ter tirado boa parte de seu sustento. Mas a situação mudou quando, no início dos anos 80, o chamado "milagre econômico brasileiro" acabou. "A publicidade ficou quase falida e eu não sabia o que fazer. Aí surgiu uma proposta salvadora do SBT, com um salário muito maior", lembra. Na emissora de Silvio Santos, Sérgio apresentou, entre 1983 e 1984, o programa de variedades "Show sem limite". Mas não guarda boas recordações. "A experiência valeu para saber que foi bom voltar para a Globo", brinca ele, que retornou à emissora com um salário muito mais alto.

Sérgio voltou à Globo em 1984, como apresentador do "Fantástico". Inconformado, ele conta que foi cobrar mais trabalho do diretor de programação, José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, o Boni. "Ele soltou alguns palavrões e disse: ‘você está reclamando porque vai trabalhar uma vez por semana?’. Depois dessa, calei minha boca, assinei o contrato e fui apresentar o ‘Fantástico’", conta, às gargalhadas. E foi por acaso que, em 1985, ele viveu o momento mais importante de sua carreira: a apresentação de uma edição extraordinária do "Jornal nacional" sobre a morte de Tancredo Neves. Tudo porque ele precisou cobrir o apresentador Marcos Hummel, que sofrera uma queda na escada. "Nesse momento, fiz as pazes com o ‘JN’. Foi uma edição histórica.

Sem dúvida, o momento mais marcante da minha carreira", recorda.

À frente do "Globo repórter" ao longo dos últimos 14 anos, Sérgio acredita que, apesar das muitas mudanças pelas quais o jornalismo passou, seu trabalho não mudou muito. "Faço mais ou menos a mesma coisa o tempo todo. A diferença é que a tecnologia avançou e temos de correr para não ficar para trás. Tecnologia significa mais trabalho", sintetiza.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Considerada cidade do algodão, Chapadão do Sul comemora 32 anos de emancipação
FELIZ ANIVERSÁRIO

Considerada cidade do algodão, Chapadão do Sul comemora 32 anos de emancipação

Diretor de presídio federal diz que Name não precisa de ajuda
CRIME ORGANIZADO

Diretor de presídio diz que Name não precisa de ajuda

STF retoma julgamento sobre prisão após condenação em 2ª instância
BRASÍLIA

STF retoma julgamento sobre prisão após condenação em 2ª instância

Deputados cobram vistoria <br>contra incêndio em hospitais
RISCOS

Deputados cobram vistoria contra incêndio em hospitais

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião