Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

brasil

Assassina de Lavínia cogitou matar menina

31 MAR 11 - 22h:47r7

Pouco antes de levar a menina Lavínia para o motel onde ela foi morta e o corpo encontrado no dia 2 de março, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, Luciene Reis Santana pensou em cometer o crime na casa de um vizinho, no bairro Parque Fluminense, onde morava.

Segundo o delegado Robson Costa, da Delegacia de Campos Elíseos (60ª DP), Luciene pediu ao vizinho para dar banho em Lavínia na casa dele, sugerindo ficar sozinha com a menina. O vizinho negou o pedido, alegando que, para autorizar o banho, ele deveria estar em casa e ela ir embora logo em seguida.

Para o delegado, o fato de Luciene ter premeditado o crime, mas não ter escolhido um local específico para cometê-lo, fez com que ela considerasse a hipótese matar Lavínia na casa do vizinho e enterrar o corpo no quintal da casa.

- O próprio local para onde ela levou a criança, o motel, é um indício de que estava meio perdida. Ela não tinha dinheiro para pagar a conta do quarto e teve que fazer faxina como pagamento. Luciene se prontificou a limpar o quarto onde matou Lavínia para que ninguém descobrisse.

Nesta quinta-feira (31), o juiz Paulo Tostes, da 4ª Vara Criminal de Duque de Caxias, decretou a prisão preventiva de Luciene, apontada como amante do pai de Lavínia, e ela deve esperar o julgamento presa. No mesmo dia, a polícia abriu um novo inquérito para apurar a suposta participação de outra pessoa no crime, que tenha ajudado a assassina a levar a menina.

Para Robson Costa, Luciene apresentava um comportamento doentio com relação ao pai de Lavínia, Rony dos Santos Oliveira, com quem matinha um relacionamento há pelo menos um ano.

- Ele disse que tentou terminar com ela várias vezes, mas ela sempre brigava com ele e chegou a ameaçar cortar os pulsos caso ele a deixasse. Ele negou que Luciene tenha ameaçado fazer qualquer coisa contra Lavínia, mas quando a filha desapareceu, ele imediatamente suspeitou de Luciene.

O policial disse ainda que ofereceu benefício de redução de pena para Luciene caso ela contasse como retirou Lavínia de casa, mas ela recusou a oferta e não quis falar sobre o assunto.

- Em depoimento, ela chegou a dizer que a mãe da Lavínia a tinha ajudado a levar a menina. Acreditamos que ela tenha feito isso para prejudicar a mãe da criança, já que tinha ciúmes de Rony. Durante as investigações, ela chegou a dizer para o Rony que ‘a chapa estava quente na delegacia e que ele seria preso caso aparecesse’, possivelmente como forma de tentar incriminá-lo.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Júri condena dois acusados de atacar judeus em 2005 em Porto Alegre
BRASIL

Júri condena dois acusados de atacar judeus em 2005 em Porto Alegre

BRASIL

Brumadinho: sobe para 212 o número de mortos identificados em tragédia

BRASIL

Bolsonaro e Piñera rejeitam intervenção militar na Venezuela

BRASIL

Caminhoneiros se mobilizam para nova paralisação, mostra monitoramento

Mais Lidas