Domingo, 18 de Fevereiro de 2018

PRESERVAÇÃO AMBIENTAL

Árvores dão lugar a obra e serão replantadas no Sóter

17 DEZ 2010Por Silvia Tada02h:30

Seis árvores com mais de 30 anos — sendo quatro aroeiras e dois angicos — serão transplantados de um canteiro de obras da Plaenge para uma área da Via Parque, próximo ao Parque do Sóter, em Campo Grande. Há mais de um mês, as unidades, que estão em um terreno da Rua Antônio Maria Coelho, em frente ao parque estadual, começaram a ser preparadas para o deslocamento, que garantirá a preservação dessas árvores nativas do Cerrado. O transplante deve ser feito na segunda ou terça-feira da semana que vem.

De acordo com o engenheiro florestal Rubens Nogueira da Rosa, que coordena os trabalhos, as árvores têm entre 16 e 17 metros de altura. "Utilizamos tecnologia desenvolvida na Universidade Federal de Viçosa, em Minas Gerais. A árvore recebeu tratamento específico e amanhã (hoje) termina de ser ‘embalada’ para o transporte", disse, referindo-se à proteção feita nas raízes das plantas. O cuidado com as árvores é grande. "Até mesmo a posição que ela estava tem de ser respeitada no novo local, caso contrário ela pode não se adaptar".

O coordenador de obras da Plaenge, engenheiro civil Dorianey Magnus Peres, destacou que, antes do início da construção, o local foi avaliado e as árvores que podiam ser preservadas foram definidas. "Então, demos entrada na Prefeitura de Campo Grande, para doarmos essas espécies".

O prefeito de Campo Grande, Nelsinho Trad, adiantou que as seis árvores serão replantadas na Via Parque, próximo ao Córrego Sóter, logo após o cruzamento com a Avenida Mato Grosso.

Consciência ambiental
Rubens da Rosa ressalta que em cidades de São Paulo, há cerca de 10 ou 15 anos adota-se a prática do transplante de árvores para preservar unidades antigas e de relevância ambiental. Em Campo Grande, a atitude é recente e os resultados obtidos têm sido bons.

"A aroeira é uma espécie protegida por lei federal e é considerada em extinção. Já o angico não tem proteção específica, mas por serem muito antigos, resolvemos incluí-los neste manejo", ressaltou o engenheiro florestal. O transporte de cada unidade está estimado em R$ 8 mil.

Pelo Código de Polícia Administrativa do município, é considerada infração a destruição ou danificação de árvores plantadas em áreas públicas. Todos os serviços que impliquem em alterações na arborização, deverão ser executados exclusivamente pelo órgão municipal competente e, em seguida, uma nova árvore deverá ser plantada.

A prefeitura têm exemplos de árvores transplantadas. É o caso da palmeira localizada próxima à Morada dos Baís, de unidades que estão no canteiro central da Avenida Afonso Pena em frente ao Paço Municipal e de palmeira que está em rotatória do Complexo Segredo.

Leia Também