Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

FURACÃO

Artuzi pode ser afastado do cargo e mantido na cadeia

3 SET 10 - 19h:59
Maria Matheus e DanielLa Arruda

O Ministério Público estuda ingressar com medida cautelar pedindo o afastamento de Ari Artuzi (PDT) do cargo de prefeito de Dourados. O delegado Bráulio Galloni, responsável pelas investigações que culminaram na Operação Uragano, deflagrada quarta-feira, pretende solicitar a prisão preventiva de Ari Artuzi para não atrapalhar as investigações. Ele é acusado de chefiar esquema de fraudes a licitações e de pagar propina a vereadores.
O prefeito foi preso na manhã de quarta-feira. Depois de prestar depoimento à Polícia Federal, em Dourados, foi encaminhado à 3ª Delegacia de Polícia, em Campo Grande. O prazo da prisão temporária termina em cinco dias. A reportagem apurou, no entanto, que o delegado prepara o pedido de prisão preventiva e pode apresentá-lo ainda hoje ao Tribunal de Justiça.  
O Correio do Estado apurou, ainda, que a denúncia contra os suspeitos deve ser apresentada ao TJ nos próximos dias, até no máximo  quarta-feira (8). Se o Tribunal acolher a denúncia do Ministério Público, Artuzi deverá responder a pelo menos duas ações relativas à Operação deflagrada anteontem, uma na área criminal e outra por improbidade administrativa.
No entanto, por meio da assessoria de imprensa, o Ministério Público informou que aguarda o encaminhamento do inquérito pela Polícia Federal para definir quais medidas serão tomadas em relação a Ari Artuzi e as outras 27 pessoas presas na última quarta-feira, durante a Operação Uragano.
As investigações da Polícia Federal apontam que Artuzi recebia “comissão” de 10% a 50% de empresas contratadas pela Prefeitura de Dourados por meio de licitações direcionadas. Com o dinheiro, ainda conforme a PF, Artuzi comprava bens pessoais, pagava propina para vereadores da situação e da oposição e fazia caixa para campanha. Na casa do prefeito foram apreendidos aproximadamente R$ 140 mil.
As investigações começaram em maio deste ano, a partir de denúncia do jornalista e secretário de Governo Eleandro Passaia, braço  direito de Artuzi. Passaia gravou o pagamento de propina ao prefeito e aos vereadores.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

EM RAZÃO DOS PROTESTOS

Voos que sairiam do Brasil para Santiago estão sendo cancelados

Consumidor pode cancelar pacotes sem ônus ou multas
DEMITIDO DO GOVERNO

Marcos Cintra é chamado para reestruturar o PSL

Cintra foi demitido pelo ministro da Economia, Paulo Guedes
Chuva não dá trégua e cerca de parque não foi reparada; animais já andam pela via
TEMPORAL

Chuva não dá trégua e cerca de parque não foi reparada; animais já andam pela via

Roberta D'Albuquerque: "Nove mil, quinhentos e noventa e nove reais"
ARTIGO

Roberta D'Albuquerque: "Nove mil, quinhentos e noventa e nove reais"

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião