Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Artuzi diz que em sua gestão recapeamento foi "serviço de branco"

16 AGO 10 - 22h:46
 Fábio Dorta, de Dourados

O prefeito de Dourados Ari Artuzi (PDT) envolveu-se em nova polêmica e, caso seja denunciado, poderá ter problemas novamente com a Justiça. Ao criticar a atuação de seu antecessor Laerte Tetila (PT) e falar sobre obras de recapeamento de asfalto, em entrevista à Rádio Grande FM, no último sábado, o prefeito afirmou que sua administração estava fazendo “serviço de gente branca”.
A declaração motivou dezenas de telefonemas à emissora de ouvintes que se disseram revoltados com o que consideram preconceito racial. “Nós estamos fazendo serviço de gente branca. É serviço de gente”, disse o prefeito. Além de telefonemas, ouvintes também se manifestaram pela internet.
Durante a entrevista, o prefeito, que estava acompanhado do deputado estadual Ary Rigo (PSDB), assessores de comunicação e dos secretários municipais de Educação, Edmílson de Morais, e de Indústria e Comércio, Maurício Peralta, também reclamou das críticas de setores da imprensa à sua administração, afirmando que as pessoas precisam “falar bem da cidade”.

Operação Owari
Artuzi também falou sobre o fato de estar denunciado por causa das investigações da Operação Owari da Polícia Federal. Criticou adversários como o deputado federal Geraldo Resende (PMDB) e o vereador Dirceu Longhi (PT), que é presidente da CPI da Saúde. Ele disse mais uma vez que vai provar sua inocência.
O prefeito disse que Resende era sócio do Hospital Santa Rosa, de propriedade da Família Uemura, cujo arrendamento por parte do município foi o principal objeto das investigações. “Ele era sócio até o ano passado e recebeu parte do aluguel”, afirmou. O deputado garante não ter recebido qualquer dividendo do hospital desde 2002, afirma que não participou de nenhuma decisão administrativa e, junto com outros 33 médicos, vendeu sua cota e se desligou do hospital no ano passado, por não concordar com as decisões tomadas pelos Uemura.
O prefeito lembrou que foi Longhi como secretário de Gestão da administração de Tetila quem assinou o contrato de arrendamento entre a prefeitura e a família Uemura, negociação considerada fraudulenta pela PF e o Ministério Público Estadual (MPE). Ele se referiu ao vereador de forma jocosa. “O vereador ‘fulano de tal’, que era secretário, ele que alugou o hospital e agora tá fazendo CPI. Tem que fazer CPI dele mesmo”, finalizou.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Felpuda

BRASIL

Envolvimento de agentes de saúde pode acelerar diagnóstico de câncer

BRASIL

Tratamento para doenças raras precisa de investimentos em pesquisa

BRASIL

Motorista embriagado invade lanchonete, atropela 4 e mata jovem

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião