Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

sábado, 16 de fevereiro de 2019 - 15h30min

Artuzi denunciado por licitações fraudulentas

6 MAR 10 - 03h:50
O Procurador-Geral de Justiça, Miguel Vieira da Silva, denunciou ontem o prefeito de Dourados, Ari Artuzi (PDT), por suposto envolvimento com quadrilha que fraudava licitações para fechar contratos para a exploração de serviços em várias áreas, como saúde e atividade funerária. O esquema foi desmantelado pela Polícia Federal em 2008, durante a Operação Owari. Artuzi foi denunciado ao Tribunal de Justiça (TJ), por ter direito a foro privilegiado. Também foram denunciados o comerciante Sizuo Uemura, apontado como cabeça do esquema fraudulento; o filho dele, Eduardo Takashi Uemura; o secretário de Governo de Artuzi, Darci Caldo; o assessor especial da Prefeitura de Dourados, Jorge Antônio Dauzacker da Silva; o diretor de Departamento de Habitação da cidade, Astúrio Dauzacker da Silva; os vereadores Humberto Teixeira Júnior, Paulo Henrique Amos Ferreira e Sidlei Alves da Silva, além do engenheiro da Prefeitura, Fabiano Furucho, e o Secretário Municipal de Saúde, Sandro Ricardo Barbara. Segundo Miguel Vieira, “ficou evidenciada a existência de uma influente organização criminosa voltada à prática de vários crimes, muitos deles em prejuízo da administração pública”. Ainda conforme o Ministério Público, empresas de propriedade de Sizuo Uemura - algumas em nome de terceiros - firmavam contratos com empresas públicas e municípios, depois de vencer licitações direcionadas. O caso No dia 7 de julho do ano passado, a Polícia Federal prendeu 42 pessoas – empresários, servidores públicos municipais, secretários da administração de Ari Artuzi e três vereadores, acusados de crimes como fraude em licitações, formação de quadrilha, corrupção, agiotagem, entre outros. Por ordem do Procurador-Geral de Justiça, o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO) deu continuidade à investigação da PF, para apurar a ligação de Artuzi no esquema. O prefeito teve, inclusive, o sigilo bancário quebrado pelo Tribunal de Justiça a pedido do Ministério Público. Escutas telefônicas feitas na campanha eleitoral de 2008 teriam flagrado a então coordenadora-financeira da campanha de Artuzi, Maria Luna, pedindo dinheiro a Sizuo Uemura. Ela ainda ocupa cargo de confiança na administração municipal. Artuzi foi procurado pela equipe de reportagem para comentar a denúncia, mas seu celular, assim como o de seu assessor de imprensa, estava desligado ou fora de área. A informação é que ele esteve ontem em Campo Grande e, no início da noite, estava retornando a Dourados. Se o TJ acolher a denúncia, Artuzi vira réu no processo
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

FIM DA ANGÚSTIA

Familiares de mulher que teve o corpo furtado realizam terceiro sepultamento

Rosilei Potronieli, de 37 anos, foi assassinada na semana passada em Terenos
MEIO AMBIENTE

Ministro contraria Ibama e diz que plantação em área indígena não é ilegal

Ambulância é arrombada e furtada  em pátio da Central de Regulação
CAMPO GRANDE

Ambulância é furtada em pátio da Central de Regulação

Goleiro Jefferson afirma não ter sido chamado para seleção por racismo
FUTEBOL

Goleiro Jefferson afirma não ter sido chamado para seleção por racismo

Mais Lidas