Sexta, 23 de Fevereiro de 2018

POLÊMICA

Artista intriga pintando véus em cartazes

15 NOV 2010Por G111h:17

Uma artista grafiteira intriga os parisienses desde 2006, pintando, às escondidas, véus sobre personagens de painéis publicitários no metrô da capital francesa.

Com uma caneta preta, a artista, conhecida como Princess Hijab (princesa Hijab - um dos véus do mundo islâmico) cobre o rosto e parte do corpo de modelos femininos e masculinos em anúncios, deixando apenas os olhos a vista.

'Eu me aproprio de símbolos, no caso, a publicidade e o véu. Com isso, construo a minha alegoria. É um pouco como um ritual, uma performance urbana', explica a artista, em entrevista à BBC Brasil.

'No início, eu ficava esperando para ver a reação das pessoas. Algumas se chocavam, outras se espantavam ou ficavam intrigadas com aquilo', conta a artista de rua.

Sexo?
Princess Hijab cultiva um certo mistério sobre sua identidade e recusa-se, inclusive, a dizer se é homem ou mulher.

No encontro com a reportagem da BBC Brasil, ela vestia um casaco de moletom e cobria a cabeça um capuz, escondendo o rosto por trás de longas mechas de cabelo comprados em salões de beleza afros da capital.

Sua voz é feminina, mas as mãos e os braços pouco delicados aumentam as dúvidas sobre seu sexo, que ela prefere não revelar.

A artista explica que a ideia de 'niqabizar' (niqab é o véu que deixa apenas os olhos de fora) modelos em anúncios no metrô surgiu em 2006, quando trabalhava com moda. 'Eu já fazia roupas que cobriam todo o corpo. Era um pouco como uma burca, mas bem colada ao corpo', conta.

'Paris é a capital da moda. É um ato forte fazer isso aqui', resume Princess Hijab.

Islamismo
O véu islâmico foi protagonista de um grande debate no país que resultou na sua proibição. Para vários políticos franceses, o uso do véu contraria princípios 'republicanos' e os valores de laicidade do país.

A proibição, em setembro deste ano, do uso do véu islâmico cobrindo todo o rosto em lugares públicos do país, causou protestos em parte da comunidade muçulmana e tem sido utilizada por militantes islâmicos como motivo de ameaças de atos extremistas contra o território francês.

Princess Hijab admite que seu trabalho 'causou um pouco de incômodo no início e poucas pessoas queriam falar dele'.

Ela prefere se manter à margem do debate e se recusa, inclusive, a responder se é muçulmana.

'Eu me posiciono como artista. Nunca pretendi ser a bandeira de uma comunidade', conclui.

Leia Também