Arruda se recusa a assinar notificação de impeachment

Arruda se recusa a assinar notificação de impeachment
06/03/2010 03:52 -


O governador licenciado do Distrito Federal, José Roberto Arruda, recusouse a assinar a notificação da Câmara Legislativa do DF para a abertura do processo de impeachment. Ao receber, ontem à tarde, a visita do primeiro-secretário da Câmara, deputado Batista das Cooperativas (PRT - Partido Reformador Trabalhista), na Polícia Federal, para ser notificado, Arruda entregou uma carta afirmando que só reconheceria o aviso oficial com uma condição: a de que o inquérito com a investigação do mensalão do DEM estivesse anexado ao documento. Arruda está preso na PF desde 11 de fevereiro. Com a recusa de Arruda, os deputados deverão voltar à PF para entregar a notificação a Arruda apenas na segunda-feira, o que irá favorecer o governador licenciado. É que, com o adiamento para o início da semana da entrega da notificação, Arruda ganhará mais prazo para sua defesa e, em consequência, para uma eventual renúncia ao mandato. Após a notificação, Arruda terá vinte dias para apresentar a sua defesa. A partir daí, então, o relator, deputado Chico Leite, irá preparar um novo relatório no prazo de dez dias. Esse relatório será votado em uma comissão especial e 48 horas depois será submetido ao plenário da Câmara Legislativa. O processo de impeachment poderá ser interrompido se Arruda apresentar sua renúncia ao Governo do Distrito Federal até o início da votação do relatório em plenário.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".