Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Arruda é denunciado outra vez

21 FEV 10 - 07h:49
A Procuradoria-Geral da República apresentou na sexta- feira mais uma denúncia contra o governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda. Dessa vez, por falsidade ideológica. Arruda, afastado do cargo e preso há quase 10 dias, teria colocado informações falsas em quatro documentos apresentados à Polícia Federal para tentar justificar ter recebido dinheiro de Durval Barbosa. Arruda foi gravado por Barbosa recebendo dinheiro. O governador apresentou quatro documentos atestando ter recebido doações de Barbosa para “pequenas lembranças” e “campanhas de Natal” de R$ 20 mil em 2004, R$ 30 mil em 2005, R$ 20 mil em 2006 e R$ 20 mil em 2007. Os documentos não têm data e, de acordo com a PGR, foram todos criados e assinados por Arruda em 28 de outubro de 2009. Dois dias depois, Barbosa os entregou à PF afirmando que nunca fez doações a Arruda. Se Arruda enfrenta novas denúncias, seu substituto interino no cargo, o governador em exercício Paulo Octávio passou a sexta-feira tentando convencer os deputados distritais a lhe darem apoio político para permanecer no cargo, mas sem grandes perspectivas. Ele organizou um almoço com a bancada de deputados, mas a reunião foi boicotada pelos deputados representantes dos partidos de oposição. Na sexta-feira, os quatro deputados do PT, Paulo Tadeu, Cabo Patrício, Chico Leite, Erika Kokay, além de José Antônio Reguffe (PDT), decidiram não participar do encontro com o governador em exercício e divulgaram nota oficial explicando o motivo de não aceitarem o convite. “Os deputados entendem que o papel mais importante da Câmara Legislativa, neste momento, é concluir os processos de impeachment do governador e vice-governador e de quebra de decoro parlamentar de deputados flagrados na operação Caixa de Pandora, bem como apurar os atos de corrupção praticados no âmbito do GDF”, diz a nota. O texto acrescenta ainda que os deputados esperam com isso que “ocorra o quanto antes: o restabelecimento da normalidade institucional nos poderes Executivo e Legislativo do Distrito Federal; o afastamento de todos os envolvidos de seus cargos, com a consequente responsabilização prevista em lei; a rescisão de todos os contratos com indícios de superfaturamento, com a declaração de inidoneidade das empresas para contratar com o Poder Público e a devolução de todo o dinheiro público recebido de forma indevida; e a conclusão das obras em andamento e a manutenção dos serviços essenciais na forma da lei, para evitar transtornos e prejuízos à população distrital”. Na prática, a oposição não tem qualquer intenção de participar de algum tipo de operação de salvamento do mandato de Paulo Octávio. “Como é que a gente vai dar sustentação a um político que é alvo de ‘n’ processos de impeachment, que a gente vai ter de julgar, dizer se ele é culpado ou inocente? Em segundo lugar, há dois dias, ele dizia que iria renunciar. Depois, ninguém pode esquecer que o governador atrelado a Paulo Octávio está preso”, afirmou o deputado Paulo Tadeu.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Jesus perde pênalti, Messi volta com gol e Argentina amplia o jejum do Brasil
AMISTOSO

Jesus perde pênalti, Messi volta com gol e Argentina derrota o Brasil

Assinantes de TV paga receberão alertas de desastres naturais em MS
A PARTIR DE SEGUNDA

Assinantes de TV paga receberão alertas de desastres naturais em MS

Apreensão de cocaína pela Receita bate recorde em 2019
QUASE 50 TONELADAS

Apreensão de cocaína pela Receita bate recorde em 2019

Botafogo e Fla são denunciados no STJD e correm risco de perder mandos de campo
FUTEBOL

Botafogo e Fla são denunciados no STJD e correm risco de perder mandos de campo

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião