Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Arroba sobe 10% em franca recuperação

27 ABR 10 - 20h:10

ADRIANA MOLINA

 A alta mais representativa em Mato Grosso do Sul foi registrada entre março e abril, quando o preço da arroba subiu 3,4%, passando de R$ 73,34 aos recentes R$ 75,84.

Porém, esses são os preços médios praticados no Estado, pois, conforme dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), na sexta-feira passada algumas negociações atingiram entre R$ 77 e R$ 79. "Mas nas últimas semanas alguns frigoríficos chegaram a alongar suas escalas com gado comprado a até R$ 80", conta a economista do Cepea, Shirley Martins Menezes.

Nas negociações no mercado futuro as especulações têm crescido nas assessorias e corretoras. As das recentes altas, que sinalizam preços ainda melhores na seca fizeram disparar à procura por esses serviços, já que as vendas antecipadas podem ser mais lucrativas que no mercado físico.

Um bom exemplo dessa vantagem é o atual cenário, que está com preços na casa dos R$ 75, enquanto a estimativa no mercado futuro é de que a arroba do boi no Estado atinja R$ 85 para outubro (pico da entressafra) − R$ 10 a mais que o atual, já confirmado na Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F). "Por causa disso já percebemos uma procura 50% maior nos últimos dias por parte dos produtores. Preço como esse não é praticado desde dezembro de 2008", conta o economista e corretor Fábio Strang Ciasca.

Varejo

Se por um lado as altas da arroba fazem o pecuarista comemorar, por outro o consumidor amarga os reflexos desse cenário positivo na hora de preparar o almoço ou até mesmo o churrasco de fim de semana. De janeiro a março, os preços da carne no varejo tiveram alta de 4,25%, puxada principalmente por cortes como o acém, paleta e costela.

E, na primeira semana de abril, em relação ao mesmo período do mês passado, os valores nos supermercados e açougues de Campo Grande já aumentaram mais 2,23%, conforme dados do Núcleo de Estudos e Pesquisas Econômicas e Sociais (Nepes). O quilo do acém nesse período ficou 7% mais caro, atingindo R$ 7,52 o quilo.

A paleta apresentou variação de 6,8%, chegando a R$ 8,27 o quilo. Já a costela disparou e, em um mês subiu 13,4%, passando de R$ 4,9 para R$ 5,56 o quilo. Segundo o coordenador do Nepes, Celso Correia de Souza, as altas, motivadas pela entressafra da pecuária, devem fazer o consumo cair nos próximos meses. "Toda vez que a carne bovina sobe, os consumidores migram para outras, como a suína e de frango. É o que deve ocorrer novamente", estima.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Aposentados ganham adicional por “produtividade” em MS
RECEITA ESTADUAL

Aposentados ganham adicional por “produtividade” em MS

Motorista bêbado fura sinal e mata motociclista na Capital
ACIDENTE

Motorista bêbado fura sinal e mata motociclista na Capital

Inflação da Capital é a maior para novembro em quatro anos
IPCA

Inflação da Capital é a maior para novembro em quatro anos

Em Três Lagoas, Refis atende em regime de plantão neste sábado
INTERIOR

Em Três Lagoas, Refis atende em regime de plantão neste sábado

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião