Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CARTÃO POSTAL

Arquidiocese do Rio firma parceria para reforma e manutenção do Cristo Redentor

Arquidiocese do Rio firma parceria para reforma e manutenção do Cristo Redentor
20/01/2014 19:30 - AGÊNCIA BRASIL


Parceria firmada entre a indústria italiana de pneus Pirelli e a Arquidiocese do Rio de Janeiro garantirá a reforma e manutenção do Cristo Redentor, um dos mais famosos cartões postais da cidade, atingido por raios durante a forte chuva do último dia 16. A estátua do Cristo Redentor está localizada no Morro do Corcovado, dentro do Parque Nacional da Tijuca.

Pelo acordo de colaboração, que tem duração de um ano, com possibilidade de renovação, a Pirelli doou R$ 1,9 milhão à Arquidiocese do Rio. O acordo foi divulgado hoje (20). A restauração do Cristo Redentor começará amanhã (21). Apesar das obras, não haverá interrupção à visitação de turistas.

Pelo acordo, a Pirelli estudará também a instalação de soluções tecnológicas com o objetivo de ampliar a proteção do monumento.

O presidente da Pirelli na América do Sul, Paolo Dal Pino, disse que, para a empresa, “é uma honra poder contribuir com a reforma do símbolo da cidade de Rio de Janeiro e uma das sete maravilhas do mundo".

A estátua do Cristo Redentor tem 38 metros de altura e foi inaugurada em 1931, a partir de projeto do engenheiro Heitor da Silva Costa. O artista plástico Carlos Oswald foi o autor do desenho final do monumento, cabendo ao escultor francês Paul Landowski a execução dos braços e do rosto da escultura. Ela é feita em pedra sabão e foi eleita uma das novas sete maravilhas do mundo em julho de 2009. 

Felpuda


Engana-se quem acha que diminuiu a voracidade de ter fatia de cobiçado bolo por parte de “quem manda”. O recuo realmente houve, mas só por enquanto e por uma questão de estratégia, até porque, nas primeiras investidas, as portas não se abriram. E continuam fechadas. Mas quem conhece bem a dita figurinha aposta que ela não desistirá até encontrar, digamos,  um “chaveiro amigo”. Essa gente não sossega nem diante da pandemia... Afe!