Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

sábado, 23 de fevereiro de 2019 - 18h04min

Ari Artuzi será processado por corrupção e fraude

5 AGO 10 - 07h:26
Maria Matheus

O prefeito de Dourados, Ari Artuzi (PDT), será processado por fraude em licitação, corrupção e formação de quadrilha. Por unanimidade, os sete desembargadores da Seção Criminal do Tribunal de Justiça acolheram ontem a denúncia do Ministério Público contra o prefeito e outros dez suspeitos, entre eles, três vereadores. A organização criminosa, desarticulada pela Polícia Federal em julho do ano passado durante a Operação Owari, teria desviado pelo menos R$ 20 milhões dos cofres públicos.
Além de Artuzi, passaram a ser réus na ação penal o empresário Sizuo Uemura, apontado como chefe da organização criminosa, Eduardo Takashi Uemura, filho de Sizuo, e os vereadores Humberto Teixeira Júnior (PDT), Sidlei Alves (DEM) e Paulo Henrique Bambu (DEM). Também responderão a processo Jorge Antônio Dauzacker da Silva (ex-assessor de Artuzi), Astúrio Dauzacker da Silva (diretor do Departamento Municipal de Habitação), Fabiano Furucho (arquiteto contratado pela prefeitura), Sandro Ricardo Bárbara (ex-secretário de Saúde), Darci Caldo (ex-secretário de Governo).
O julgamento começou no dia 21 de julho, mas a decisão foi adiada porque o desembargador Dorival Moreira dos Santos pediu vistas quando cinco magistrados já tinham votado pelo recebimento da denúncia. Ontem pela manhã, Dorival aceitou a denúncia, mas ressalvou que o prefeito e os vereadores deveriam responder apenas por corrupção passiva (quando agente público pede ou recebe vantagem indevida), uma vez que a licitação que seria fraudada não foi realizada. No entanto, o desembargador foi voto vencido e os acusados responderão não apenas por corrupção, mas por fraude em licitações e formação de quadrilha.
O Tribunal de Justiça citará os réus e, depois, eles terão 15 dias para apresentar defesa.

Outro lado
O advogado de Artuzi, Carlos Marques, argumenta que a licitação que teria sido fraudada não existiu, portanto, não há crime. “Vamos mostrar que ele não teve participação nenhuma em crime algum. Aliás, crime algum foi cometido”, disse. A defesa também nega que Artuzi tenha recebido “presentes” dos chefes da organização criminosa. “O carro está financiado em nome de Ari Artuzi e ele paga o financiamento.”
Por meio da assessoria de comunicação da prefeitura, o pedetista disse ter a expectativa de que a Justiça “faça rapidamente o seu papel” para ficar provada sua inocência.
O advogado Ailton Stroppa, que defende os três vereadores, também nega o envolvimento deles nos crimes. “Eles apenas votaram uma lei que moderniza uma legislação municipal que já existia e repete o que a lei federal fala sobre a matéria”.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

BRASIL

Governo informa que dois caminhões com ajuda entraram na Venezuela

BRASIL

Bolsonaro resgata medidas rígidas que foram propostas pelo PT

Comercial tropeça para Costa Rica e adia classificação
ESTADUAL 2019

Comercial tropeça para Costa Rica e adia classificação

VENEZUELA

'Dia D' de missão humanitária na Venezuela tem confrontos com militares

Mais Lidas