Argentina libera importação de carne suína

Argentina libera importação de carne suína
04/07/2012 07:00 - band


O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento informou nesta terça-feira que o governo argentino liberou a entrada de carne suína brasileira no país. No acordo firmado entre os dois países, a Argentina autoriza a entrada de cerca de 27 mil toneladas de carne suína in natura, industrializada e miudezas, no segundo semestre deste ano, volume similar ao que foi importado no mesmo período do ano passado.  

“As negociações representaram um trabalho de paciência realizado pelo governo, que não mediu esforços para recuperar o mercado vizinho. Tivemos que ouvir técnicos em desconformidade com a nossa postura, mas sabíamos aonde precisávamos chegar e chegamos”, disse o ministro da Agricultura, Mendes Ribeiro, por meio de nota.

A carne suína brasileira vinha enfrentando barreiras para entrar no território argentino desde fevereiro deste ano. Em março, após reunião com o ministro da Agricultura argentino, Norberto Yahuar, Mendes Ribeiro disse que tinha recebido uma proposta criando cotas para a entrada do produto brasileiro, mas, dias depois, o governo argentino voltou atrás.

A questão, que agora parece estar resolvida, se estendeu por quase cinco meses. De acordo com o Ministério da Agricultura, além de reuniões técnicas, foram feitas várias tentativas para desbloquear o comércio bilateral nesse período. Além do ministro Yahuar, participaram das negociações, pela Argentina, o embaixador no Brasil Luis Maria Kreckler e o secretário argentino de Comércio Interno, Guillermo Moreno.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".