DRAMA

Aquidauana e Anastácio enfrentam a maior enchente em 21 anos

Aquidauana e Anastácio enfrentam a maior enchente em 21 anos
05/03/2011 08:15 - DANÚBIA BUREMA, CORREIO DO ESTADO


Os municípios de Aquidauana e Anastácio enfrentam a pior enchente dos últimos 21 anos. A água do Rio Aquidauana cobriu as cabeceiras das duas pontes de acesso a Aquidauana, que está isolada. Cerca de 40 homens do Exército auxiliaram na construção de uma passagem improvisada para pedestres, que se tornou o único caminho para chegar à cidade.

Cerca de 30 militares começaram, na madrugada de ontem, a retirar os pertences das famílias que tiveram de abandonar suas casas. Foram contabilizadas 149 famílias desabrigadas nas duas cidades (Aquidauana e Anastácio). O bairro Guanandi e o Centro de Aquidauana foram os mais afetados e a água chegou ao telhado de algumas residências.

Quatro veículos do Exército, dois caminhões e dois jipes, tratores, maquinário da prefeitura e dezenas de canoas particulares ajudaram a retirar os moradores e seus pertences.

 Resgate

Quando o nível do rio ultrapassou os 10 metros, medida máxima da régua que também foi coberta pela água, houve dificuldade para resgatar os moradores, pois não havia sequer coletes salva-vidas para todos. Até bambus serviam como remos para os militares atuarem na remoção. "A água chegou lá agora", disse a moradora Eliete de Paula Silva, de 33 anos, ao sair de casa. Ela concordou em deixar o imóvel por medo de que a filha, que sofre de paralisia, tivesse alguma crise e não conseguisse chegar ao hospital, mas, assim como muitas pessoas, temia que seus pertences fossem furtados.

O funileiro José Carlos Moraes de Oliveira, 43 anos, emprestou o barco de um amigo e ficou de prontidão fazendo rondas em casa para evitar saques. Os desabrigados foram levados para dois ginásios de escolas e duas igrejas. Entretanto, muitos ficaram nas casas de familiares. A secretária Sirlei Almira Vasques, 43 anos, hospedou-se com o marido e dois filhos no trabalho. "Me cederam um alojamento", detalha.

Já o funcionário público Agnaldo Neves Gregório, 40 anos, teve de procurar abrigo em uma escola. "Esperamos a água entrar primeiro, para depois sair de casa", disse. Ele acredita que poderá retornar à residência apenas daqui a uma semana, "se acabar a chuva". A estudante de pedagogia Márcia Cristina Galhardo, 42 anos, chegou a ir para a casa de uma sobrinha, que também alagou, e acabou ficando no abrigo da escola. "Sempre me hospedo lá, mas desta vez alagou também", conta.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".