Aquecimento na Antártica será menos intenso

Aquecimento na Antártica será menos intenso
02/07/2012 11:30 - band


O aquecimento climático na Antártica será "menos pronunciado" que o previsto graças ao aumento das nevascas, anunciaram cientistas franceses. "As previsões de aquecimento teriam que ser revisadas com baixa de 0,5°C para o centro do continente austral", afirma um comunicado do CNRS (Centro Nacional de Pesquisas Científicas), com base em estudos do laboratório de geofísica do meio ambiente de Grenoble (França) e da Universidade de Laval (Canadá).

O aumento das temperaturas na Antártica implica um maior número de precipitações e, portanto, uma neve mais "branca" que reduzirá a magnitude da mudança climática no centro do continente, segundo os cientistas. No caso da temperatura do continente subir 3°C, o aumento das precipitações de neve aumentaria suficientemente o albedo (radiação que reflete qualquer superfície).

Um albedo alto esfria o planeta porque a luz ou radiação absorvida e aproveitada é mínima. O albedo mais elevado é o da neve recente. No futuro, sob o efeito do aquecimento global, "é possível esperar um aumento das precipitações de neve na Antártica", afirma o CNRS. Os estudos, publicados na revista Nature, "permitem avaliar melhor o papel da neve nos modelos utilizados para prever a evolução do clima mundial", completa o CNRS.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".