Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Após embargo, frigorífico demite 180

11 SET 10 - 09h:13
VERA HALFEN

O frigorífico JBS-Bertin, de Campo Grande, demitiu ontem 180 funcionários da área industrial. A notícia chega logo após o comunicado da Rússia, feito na última quarta-feira, da suspensão da compra de carne do Brasil, incluindo a unidade do grupo na Capital. A demissão atinge 9% dos 2 mil funcionários da empresa nos dois abatedouros situados no município.
Para o presidente da Associação de Matadouros, Frigoríficos e Distribuidores de Carne do Estado de MS (Assocarnes), João Alberto Dias, as demissões culminam com uma série de fatores que já vem ocorrendo: a seca prolongada, a falta de gado para abate e a suspensão da compra de carne pela Rússia.
Esse quadro abala a funcionalidade das plantas e a estrutura da companhia, segundo Dias.
A companhia JBS não se manifestou, nesta sexta-feira, sobre as demissões. No entanto, o grupo, segundo fontes não oficiais, está trabalhando para reverter o quadro e voltar a ser habilitado para vender carne bovina aos russos.
Em Cáceres (MT) – a 250 quilômetros de Cuiabá – pelo menos 300 dos 700 funcionários foram demitidos. O frigorífico começa a assinar as rescisões na próxima semana. A concretização das demissões passa a ser um indicativo de que a anunciada paralisação, por 90 dias, deverá se estender por prazo maior.
O presidente do sindicato, João Neto, conta que entre os motivos estaria a falta de retorno financeiro no mercado interno, já que a unidade não tem habilitação para exportação. A desativação deve ser revista pelo JBS no início do próximo ano. A planta de Cáceres é uma das nove unidades do grupo no Mato Grosso e tem capacidade para abate de até 600 animais/dia.
Político
Já para o presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Carnes e Derivados de Campo Grande - STICCG, Vilson Gimenes Gregório, a causa das demissões na Capital foi política. O grupo estaria adotando retaliações para evitar a paralisação dos trabalhadores. Já a planta localizada em Naviraí – que emprega mais de 1.800 funcionários – não registrou demissões, segundo o sindicato.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Rotatória da Rua da Divisão dá lugar a semáforo
CAMPO GRANDE

Rotatória da Rua da Divisão dá lugar a semáforo

Marum diz que será 'general de guerra' em campanha de Puccinelli
DE OLHO EM 2022

Marum diz que será 'general de guerra' de Puccinelli

RETOMADA DE OBRAS

Governo de MS e futuros donos da UFN3 se reúnem nesta tarde para definir datas

Petrobras e russos já realizaram conversa pela manhã
Chefão do PCC em duas cidades, 'Oclinhos' é preso pela polícia
CRIME ORGANIZADO

Chefão do PCC em duas cidades, 'Oclinhos' é preso

Mais Lidas