Sábado, 16 de Dezembro de 2017

INDICAÇÃO

Após duas negativas, Senado aprova novo diretor-geral da ANTT

19 FEV 2014Por FOLHA PRESS18h:45

O diretor-geral da ANTT (Agência Nacional de Transporte Terrestre), Jorge Bastos, teve seu nome aprovado para ser reconduzido ao cargo. A aprovação aconteceu numa comissão prévia de análise do Senado. Para terminar o processo de recondução, Bastos terá que ter seu nome aprovado no plenário da casa, o que deverá ocorrer em breve.

Bastos teve seu nome aprovado por unanimidade de 21 senadores presentes após sabatina que durou cerca de duas horas. A tendência é que seu nome também seja aprovado com certa facilidade no plenário do Senado, mesmo com a votação sendo secreta nesse colegiado.

Jorge Bastos é o terceiro nome que o governo envia ao Senado para ocupar esse cargo desde 2012. O primeiro, Bernardo Figueiredo, teve seu nome aprovado na comissão no início de 2012. Mas, no plenário, acabou tendo o nome rejeitado no que foi a primeira derrota importante do governo no Congresso durante a gestão da presidente Dilma Rousseff.

Após Bernardo Figueiredo, a presidente tentou emplacar no cargo o ex-ministro dos Transportes, Paulo Passos. Mas Passos nem chegou a ser sabatinado. O governo foi informado sobre a resistência dos Senadores sobre seu nome e retirou a indicação no meio do ano passado. Passos acabou nomeado presidente da EPL (Empresa de Planejamento e Logística), cargo então ocupado por Figueiredo, que deixou o governo.

Diferentemente dos outros dois, indicações diretas da presidente Dilma, Bastos é indicado pelo PMDB do Senado. Ele foi assessor de seu presidente, Renan Calheiros. Na sua primeira indicação para a ANTT, o governo sofreu críticas por ele não ter relação com o setor: dirigia uma equipe de basquete no Distrito Federal.

A ANTT tem cinco diretores e, desde a rejeição de Bernardo Figueiredo em 2012, o governo vem mantendo diretores nomeados provisoriamente (que não são sabatinados pelo Senado) na agência. Devido a essa situação, Bastos acabou sendo nomeado diretor-geral do órgão em 2013. Seu desempenho à frente da agência tem agradado empresários do setor num período em que o governo estava com dificuldades para deslanchar o processo de concessão de ferrovias e rodovias, o que facilitou sua indicação para um novo mandato na agência.
 

Leia Também