Campo Grande - MS, segunda, 20 de agosto de 2018

Vaticano

Após beatificação, fiéis veneram restos mortais de João Paulo 2º

1 MAI 2011Por Folha Online14h:11

Milhares de fiéis que assistiram à cerimônia de beatificação de João Paulo 2º fazem fila para venerar os restos mortais do papa, na Basílica de São Pedro, no Vaticano.

O caixão, que não foi aberto, está exposto perante o altar da Confissão. Sobre ele foi colocada uma cópia do Evangelho de Lorsch, aberto e apoiado em um coxim tecido com decoração de ouro, além de uma coroa de flores com as cores oficiais da bandeira vaticana, amarela e branca.

A Guarda Suíça é responsável por guardar o caixão de Karol Wojtyla, que foi proclamado beato em cerimônia solene neste domingo pelo papa Bento 16, provocando uma profunda emoção em mais de um milhão de fiéis que assistiram ao ato.

Os fiéis começaram a visitar o caixão às 13h16 (8h16 de Brasília) e está previsto que possam fazê-lo até às 19h desta segunda-feira (14h em Brasília), quando serão fechados os portões da Basílica.

No último dia 29, o féretro foi retirado do túmulo que ocupava na cripta da Basílica de São Pedro e será colocado nos próximos dias em uma capela do templo. Até agora, os restos de Wojtyla estavam a poucos passos do sepulcro de São Pedro.

Após o papa e os cardeais venerarem os restos de João Paulo 2º, foi a vez das delegações oficiais dos países presentes, e em seguida a de pessoas portadoras de deficiência e o restante do público.

Assim que forem concluídas as celebrações pela beatificação, o caixão será levado à capela de São Sebastião, com melhor capacidade para receber um volume ainda maior de fiéis no futuro.

BEATIFICAÇÃO

Seis anos após sua morte, João Paulo 2º foi proclamado beato neste domingo pelo seu sucessor, em uma cerimônia assistida por mais de um milhão de pessoas na praça de São Pedro.

Há cerca de mil anos um papa não beatificava seu antecessor, segundo o Vaticano. Bento 16 afirmou que ele "tinha a força de um gigante" e enfrentou "sistemas políticos e econômicos", como o marxismo e a ideologia do progresso, para cumprir o desafio de viver a fé sem medo.

"Sua mensagem foi esta: o homem é o caminho da Igreja, e Cristo é o caminho do homem. Com essa mensagem, que é a grande herança do Concílio Vaticano 2º e de seu timoneiro, Paulo 6º, João Paulo 2º conduziu o povo de Deus ao Terceiro Milênio", afirmou o papa Ratzinger.

O pontífice acrescentou que "aquela carga de esperança que fora cedida ao marxismo e à ideologia do progresso, João Paulo 2º legitimamente reivindicou-a para o cristianismo, restituindo-lhe a fisionomia autêntica da esperança, de viver na história com um espírito de advento, com uma existência pessoal e comunitária orientada a Cristo, plenitude do homem".

Bento 16 lembrou ainda a famosa frase de João Paulo 2º: "Não temais, abri de par em par as portas a Cristo!" e afirmou que Karol Wojtyla "abriu a Cristo a sociedade, a cultura, os sistemas políticos e econômicos, enfrentando com a força de um gigante, com a força dada por Deus, uma tendência que parecia irreversível".

Sobre o processo de beatificação, um dos mais rápidos da história, o papa afirmou que já no dia do funeral de Wojtyla, em 8 de abril de 2005, podia se perceber seu "perfume da santidade", e que o povo de Deus manifestava de muitas formas sua veneração.

Leia Também