Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Após altas, preços de verduras caem 15%

4 MAI 10 - 07h:42
ADRIANA MOLINA

Depois de acumular altas que chegaram a 150% em alguns produtos nos últimos três meses, os preços dos hortifrútis em Campo Grande começaram a recuar na última semana e registraram queda média de 15%, conforme dados da Central de Abastecimento de Mato Grosso do Sul (Ceasa-MS). A alface, por exemplo, que entre janeiro e março subiu de R$ 1,20 para R$ 3 o pé nos mercados de sacolões da Capital − acréscimo de 150% − atualmente já pode ser encontrada a R$ 1,99, revelando queda de 33,6% frente ao preço anterior.

Na Ceasa-MS, a caixa da folhosa com 18 pés para venda no atacado, apresentou decréscimo de 48,3%, passando do pico de R$ 29, registrado no trimestre passado, para R$ 15 atualmente. Já o tomate longa-vida, o segundo com maiores altas no período, chegando a ficar até 100% mais caro, hoje custa no atacado R$ 40 a caixa com 25 quilos − 42,8% menos que os R$ 70 praticados durante o período das chuvas.

No varejo, o quilo do tomate chegou a custar R$ 4. Atualmente o consumidor paga em média R$ 2,40, o que significa redução de preço na ordem de 40%. Outros que tiveram valores bastante reduzidos foram o chuchu e o pimentão, que caíram cerca de 30% nos supermercados, chegando a atuais preços médios de R$ 2 e R$ 2,30 respectivamente.

Entre as frutas, destaque para a tangerina, que nos últimos dias caiu 42%. A melancia também teve redução significativa, de 35% no atacado, onde o quilo hoje custa R$ 0,55 na Ceasa-MS; e de 40% para o consumidor, com o quilo valendo em média R$ 0,98 nas gôndolas dos revendedores. A caixa do morango sofreu decréscimo de 25% no atacado e está cotada R$ 15 a caixa de 1,5 quilo. Nos mercados o preço oscila entre R$ 6 e R$ 8 o pacote com 250 gramas.
Mais queda

E nas próximas semanas, os hortifrútis devem ficar ainda mais baratos em Campo Grande, conforme estimativa do gerente da divisão de mercado da Ceasa-MS, Cristiano Chaves. “No geral a previsão é de que ocorra ainda queda média de 20%. Depois disso a tendência é estabilizar, pois estaremos no período de entressafra local e estabilidade nas regiões produtoras brasileiras de onde importamos”, explica.

Segundo Chaves, o tomate rasteiro poderá cair mais cerca de 6% nos próximos dias, e o longa-vida entre 3% e 4%. A alface acompanha a redução de preços dos dois produtos e a perspectiva é de que não recue mais que 6%.

Decréscimos maiores devem acontecer nas frutas como tangerina e melancia, por conta da alta oferta da época, de até 20%. “Mas preço do morango deve cair pouca coisa, no máximo 3%”, afirma.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Considerada cidade do algodão, Chapadão do Sul comemora 32 anos de emancipação
FELIZ ANIVERSÁRIO

Considerada cidade do algodão, Chapadão do Sul comemora 32 anos de emancipação

Diretor de presídio federal diz que Name não precisa de ajuda
CRIME ORGANIZADO

Diretor de presídio diz que Name não precisa de ajuda

STF retoma julgamento sobre prisão após condenação em 2ª instância
BRASÍLIA

STF retoma julgamento sobre prisão após condenação em 2ª instância

Deputados cobram vistoria <br>contra incêndio em hospitais
RISCOS

Deputados cobram vistoria contra incêndio em hospitais

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião