Campo Grande - MS, sexta, 17 de agosto de 2018

Mercado

Após alta em imposto, saída de dólares supera a entrada em abril

13 ABR 2011Por folha online13h:29

Após as medidas anunciadas pelo governo para conter a desvalorização do dólar, a saída da moeda norte-americana superou a entrada no início de abril e o saldo ficou negativo em US$ 14 milhões até a última sexta-feira. No mesmo período do ano passado, a entrada superava a saída de dólares em US$ 153 milhões.

No acumulado do ano, entretanto, a entrada líquida de dólares ficou 46% maior do que a registrada em todo o ano de 2010, somando US$ 35,5 bilhões.

Para segurar a entrada de dólares no país e frear a desvalorização, o BC comprou somente em abril US$ 2,9 bilhões, o que elevou o valor das reservas internacionais, que ontem estavam em US$ 322 bilhões.

Outra medida foi tomada no fim de março, quando o governo anunciou a cobrança de 6% de IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) de empréstimos feitos por bancos e empresas no exterior com prazo de até dois anos.

Valorização

Reportagem publicada domingo pela Folha mostrou que o real nunca esteve tão valorizado em relação ao dólar. Cálculos da Funcex (Fundação Centro de Estudos do Comércio Exterior) com base na taxa real de câmbio mostram que o poder de compra da moeda brasileira praticamente dobrou em relação ao verificado em julho de 1994, início do Plano Real.

Segundo a Funcex, é como se o dólar estivesse 50% mais barato do que naquela época. Ou seja, o brasileiro pode comprar o dobro do que compraria com os mesmos reais. Se for considerado o mês de dezembro de 1998, véspera da liberação do câmbio, o dólar estaria cerca de 40% mais barato.

Ontem, em viagem à China, a presidente Dilma Rousseff admitiu ter "grande preocupação" com o valor excessivo do real, na comparação com o dólar. "Estamos tomando todas as medidas possíveis [para enfrentar o problema]", afirmou a presidente.

Entre os motivos para a valorização da moeda brasileira está a forte entrada de dólares no país no primeiro trimestre deste ano. Foram US$ 35,6 bilhões, maior valor da série iniciada em 1982 pelo Banco Central. É também mais que o dobro do recorde anterior, verificado no mesmo período de 2006 (US$ 17,7 bilhões). A entrada de dinheiro cresceu no início da semana, um dia antes de o governo anunciar novas medidas cambiais.

Medidas

Na semana passada, o governo elevou o IOF para empréstimos tomados por pessoas físicas de 1,5% para 3% com o objetivo de conter a inflação.

A elevação do IOF para pessoa física ocorreu depois de uma série de altas do imposto para as empresas. Dias antes, o governo havia estendido a cobrança de IOF de 6% para empréstimos de até dois anos tomados no exterior por bancos e empresas.

Na semana anterior, o governo já havia instituído a cobrança de 6% de IOF para empréstimos de até 360 dias. As medidas voltadas para as empresas tinham por objetivo conter a desvalorização do dólar. A moeda americana é cotada hoje por R$ 1,583, um decréscimo de 0,62% em relação a ontem.

Leia Também