Campo Grande - MS, terça, 21 de agosto de 2018

CASO SANASA

Após 8 dias das prisões, 4 ainda estão foragidos

29 MAI 2011Por PORTAL RAC, CAMPINAS12h:00

Após completar oito dias do escândalo no governo do prefeito Hélio de Oliveira de Santos (PDT), quatro pessoas que tiveram mandado de prisão decretada por suposta participação em fraudes em contratos da Sociedade de Abastecimento de Água e Esgoto S.A. (Sanasa) permanecem foragidos. São eles: o promotor de eventos Ivan Goretti de Deus, os lobistas Maurício Manduca e Emerson Geraldo de Oliveira e o empresário da Pluriserv Serviços Técnicos Ltda, José Carlos Cepera. 

Na noite da última sexta-feira, os quatro últimos suspeitos que estavam presos, inclusive o vice-prefeito de Campinas, Demétrio Vilagra (PT), foram soltos. Junto com ele saíram da cadeia anexa ao 2º Distrito Policial o ex-diretor financeiro da Sanasa, Marcelo Figueiredo, e o ex-diretor de Planejamento da Prefeitura, Ricardo Chimirri Cândia, presos desde o último dia 20, além do empresário Gabriel Ibrahim Gutierrez. Ele ficou preso por poucas horas após chegar a Guarulhos em um voo vindo de Portugal. 

O ex-secretário de Segurança Pública, Carlos Henrique Pinto, que até sexta-feira era considerado foragido, conseguiu liminar do Tribunal de Justiça que o protege da prisão, inclusive da preventiva. Segundo seu advogado, Marcelo Martins de Oliveira, até que seja julgado o pedido de habeas corpus, o que pode demorar pelo menos 45 dias, ele está livre da prisão. 

Oliveira disse que Henrique Pinto pretende voltar para sua casa, no Jardim Proença. “A partir do momento em que ele conseguiu a liminar, eu acho que ele já deva estar na casa dele”, disse Oliveira. O porteiro de seu prédio disse  que ele já avisou que chega na segunda-feira, dia 30. 

A reportagem esteve no edifício onde mora o secretário. Segundo informações, ele ainda não teria aparecido no local. Oliveira também disse que não sabia onde Henrique Pinto esteve durante essa semana enquanto era procurado pela polícia. 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também