Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

“Apoio de Trad a Dilma é jogada do governador”

4 MAI 10 - 07h:37
lidiane kober, enviada especial
Ponta porã

O ex-governador José Orcírio dos Santos (PT) classificou o apoio do prefeito Nelsinho Trad (PMDB) à ex-ministra Dilma Rousseff (PT), na corrida pela sucessão presidencial, como uma jogada do governador André Puccinelli (PMDB) para tirar o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) da campanha pelo Governo de Mato Grosso do Sul. Ontem, em Ponta Porã, o petista sugeriu que a estratégia do governador é impedir a presença de Lula do Estado, alegando a divisão do PMDB na eleição presidencial.

“Esta história de o Nelsinho estar apoiando a Dilma, acho que é uma jogada que o André está montando com o prefeito da Capital”, declarou Orcírio, depois de despedir-se do presidente, no aeroporto de Ponta Porã. “O apoio do Nelsinho a Dilma é o argumento necessário para o André chegar no PMDB nacional e dizer: o PMDB tem direito de pedir para o Lula não vir (ao Estado) porque uma parte do partido, ou seja, o prefeito da Capital, uma figura importante, apoia a Dilma”, explicou. “Do outro lado, o governador, malandramente, monta palanque para o Serra (José Serra, do PSDB), com DEM e o PPS”, concluiu.
Orcírio viu com naturalidade o fato de o presidente querer reunir Puccinelli e o presidente nacional do PMDB, deputado federal Micher Temer, para tratar de eleição. Para ele, o objetivo de Lula é convencer o governador a montar um segundo palanque para Dilma, em Mato Grosso do Sul. Por outro lado, ele tem certeza de que o governador pretende usar a conversa para tirar o presidente da campanha para o Governo do Estado. “Acho que, provavelmente, eles vão discutir a possibilidade de o Lula não vir aqui”, reforçou.

Ao ser indagado se a ausência do presidente prejudicaria sua campanha, Orcírio garantiu que, neste caso, o importante é ajudar a eleger a candidata do PT como presidente. “Acho ótimo dois palanques (para Dilma no Estado), porque sei que a minha caminhada é irreversível. Se o André vai apoiar a Dilma, se não vai apoiar, se vai fazer dois palanques, isso não é um problema meu, é do PMDB”, finalizou.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Auditores fiscais e servidores <br> da saúde municipal são nomeados
CONCURSOS

Auditores fiscais e servidores da saúde municipal são nomeados

Por dia, Campo Grande registra mais de um ataque de escorpião
CUIDADO

Por dia, Campo Grande registra mais de um ataque de escorpião

Pacote de R$ 3 bilhões em <br> obras será lançado em março
GOVERNO DO ESTADO

Pacote de R$ 3 bilhões em
obras será lançado em março

Horror de Auschwitz resiste, 75 anos depois
MUNDO

Horror de Auschwitz resiste, 75 anos depois

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião