Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ELEIÇÕES 2018

Apoio de juiz Odilon a Bolsonaro gera crise no PDT

Presidente regional da sigla afirma que decisão era ficar neutro
11/10/2018 05:00 - Renata Volpe Haddad e Yarima Mecchi


 

O presidente regional do PDT e deputado federal, Dagoberto Nogueira (PDT), não foi convidado para o evento onde o candidato da sigla juiz Odilon de Oliveira, recebeu apoio do MDB para o segundo turno do Governo do Estado.  De acordo com Dagoberto, ele não foi convidado ao evento, onde Odilon declarou apoio ao candidato à Presidência da República, Jair Bolsonaro (PSL).

O anúncio também foi uma surpresa para o presidente estadual. “O doutor Odilon comunicou que ia fazer essa decisão. O PDT nacional em respeito, decidiu deixar livre para os quatro governadores no segundo turno. A decisão era de ficar neutro”.

Mas Odilon não atendeu à decisão. “Eu participei da reunião em Brasília e a gente ia conduzir dessa forma e tínhamos tomado a decisão de não apoiar ninguém, mas ele declarou apoio ao Bolsonaro”. 

O PDT nacional declarou apoio crítico ao candidato a presidente Fernando Haddad (PT). Sobre isso, Dagoberto alegou que o PDT ficaria neutro. “A gente não ia dar opinião porque ele ia receber apoio de gente do Bolsonaro e do PT, mas ele manifestou e tomou uma posição. Nós do PDT vamos continuar neutros”.

Odilon afastou da coordenação da campanha um dos maiores ícones da política de Mato Grosso do Sul, João Leite Schmidt. “Por conta da idade, ele não consegue mais viajar. Por isso e por morar na mesma casa que eu, anuncio que meu filho, o vereador Odilon, vai coordenar minha campanha”.

Dagoberto falou sobre isso. “Pela alegação dele, ele precisava viajar e o doutor Schmidt não pode estar viajando. Já começaram as crises”, afirmou.

 

 

Felpuda


Apesar de ainda fazer certo charme no estilo “se chamar, vou pensar” é praticamente certo que ex-candidato ao governo do Estado nas eleições passadas não participará da disputa pela Prefeitura de Campo Grande. Nos meios políticos é falado que não se trata de “novidade” e que não haverá mais cavalo encilhado passando na sua frente. Ele ainda insinua que poderá voltar em 2022, mas há quem diga que não precisará pensar, pois faltará a tal da “chamada”.