Campo Grande - MS, quarta, 15 de agosto de 2018

Apoio a Dilma deixa PMDB de MS em situação delicada

8 NOV 2009Por 21h:40
     

Da redação

A pressão da ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, para a retirada da candidatura do ex-governador José Orcírio dos Santos (PT) à sucessão estadual, pode deixar o PMDB numa situação delicada com os antigos parceiros. Os líderes do partido e o próprio governador André Puccinelli vinham trabalhando com outro cenário, que é fechar acordo com os velhos parceiros PSDB e DEM.

Os peemedebistas não esperavam mais pela presença do PT no palanque de André em 2010 devido a resistência oferecida por José Orcírio e a má-vontade de seus correligionários petistas de apoiar a aliança. Numa eventual coligação, André terá apenas um pedaço do PT no seu palanque ou, talvez, nenhum. Apenas não teria um concorrente na disputa eleitoral.

Alheia às diferenças políticas em Mato Grosso do Sul, Dilma cobra responsabilidade do PT. A prioridade do partido é elegê-la presidente da República e não ficar brigando pelo Governo do Estado. Por isto, defendeu apoio à reeleição de André para garantir palanque em Mato Grosso do Sul durante a campanha presidencial.

Leia Também