Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Aplicações intrigantes

9 JUL 10 - 08h:01
Em outubro do ano passado, depois que o Governo estadual lançou o programa MS Forte, que prevê investimentos superiores a R$ 3 bilhões no Estado, o ex-governador José Orcírio (PT) classificou o anúncio como peça de ficção, pois alegava não existir dinheiro em caixa. Em resposta, o então secretário de Obras, Edson Giroto, afirmou que o Estado dispunha de R$ 2,4 bilhões depositados em bancos, rendendo juros. Rapidamente, o próprio governador tratou de “desmentir” o subalterno, dizendo que “ele devia estar com a cabeça no mundo da lua quando falou aquilo”, depois que deputados começaram a pedir explicações sobre estas supostas aplicações financeiras.
            Mais de meio ano depois daquela polêmica, eis que o assunto volta à tona. De acordo com dados oficiais analisados pelo deputado petista Paulo Duarte, que é fiscal de rendas e já foi secretário estadual de Fazenda, o Governo estadual tinha, sim, dinheiro rendendo juros. O montante, porém, era, em 2009, de R$ 1,3 bilhão. Ou seja, tanto o governador quanto o secretário falaram meias verdades à época, para não dizer que mentiram sobre o dinheiro que estava rendendo juros. O primeiro garantiu que eram R$ 2,4 bilhões e o segundo, que tudo não passava de fantasia do outro. A dúvida, agora, é saber quem dos dois se “enganou”. À época, o mesmo deputado que agora cobra explicações afirmou que o secretário, por ser técnico, não iria se equivocar sobre um assunto desta natureza. A dúvida, então, é saber onde está a outra metade do dinheiro que estava rendendo juros.
            O questionamento principal, porém, também feito pelo parlamentar, é relativo ao tipo de aplicação financeira. Segundo ele, os juros foram inferiores aos da poupança, que são irrisórios e praticamente empataram com a inflação em 2009. Conforme os dados oficiais, o dinheiro rendeu em torno de R$ 82 milhões no ano passado. Se estivesse depositado na poupança, teria rendido ao menos R$ 10 milhões . Ou seja, ao que tudo indica, o Governo perdeu dinheiro, pois a inflação, principalmente da construção civil, foi maior que os juros obtidos. O secretário de Fazenda Mário Sérgio Lorenzetto, normalmente arredio a explicações, mudou de estilo e ontem mesmo tratou de contestar o deputado, dizendo que o dinheiro fora muito bem aplicado e que os questionamentos de seu antecessor não faziam sentido.
    Cada administrador tem sua forma de gerir as contas. E, se o governador entende que é melhor acumular dinheiro e lançar grandes pacotes de obras de uma só vez, às vésperas de período eleitoral, é um direito que lhe assiste. Porém, o que não pode ser tolerado é que dinheiro do contribuinte seja mal administrado. Anualmente o Estado desembolsa em torno de meio bilhão para pagar dívidas com a União. A quase totalidade vai para os juros. Então, é um contrassenso manter dinheiro aplicado numa conta, com retorno irrisório, e do outro lado continuar pagando juros sufocantes. Nenhum pai de família minimamente cuidadoso com suas contas é tolo a este ponto. E, é difícil de acreditar que técnicos experientes cometam este tipo de asneira.  Então, o filme "Golpista do ano", que está nos cinemas da Capital, talvez jogue uma luz sobre este complicado mundo financeiro, no qual ninguém fala a mesma língua.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

MS tem 91 imóveis confiscados do tráfico para serem vendidos
GUERRA AO CRIME

MS tem 91 imóveis confiscados do tráfico para serem vendidos

Presidente do Ceasa é sepultado nesta sexta-feira
DA REDAÇÃO

Presidente do Ceasa é sepultado nesta sexta-feira

Polícias estaduais apreendem cerca de uma tonelada de maconha por dia em MS
GUERRA AO CRIME

Polícia apreendeu cerca de 1 t de maconha por dia em MS

Programa da Fátima pode não ser melhor ou pior que os outros. É diferente
CANAL 1 - FLÁVIO RICCO

Programa da Fátima pode não ser melhor ou pior que os outros. É diferente

Mais Lidas