Campo Grande - MS, sexta, 17 de agosto de 2018

Apex reduz gastos e exportador reclama de cortes nos recursos

8 AGO 2010Por 09h:18
Raquel Landim, (AE)

A Agência de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex) vai cortar um quarto de suas despesas este ano, apesar da acirrada competição nos mercados internacionais provocada pela crise e da necessidade de elevar as vendas externas para reduzir o déficit em conta corrente do País.
Ao renegociar seus convênios com a instituição, os exportadores estão sendo comunicados de reduções significativas de recursos. Diferentes setores relataram à reportagem cortes de cerca de 30% nas verbas dos projetos. Esse porcentual não foi confirmado pela agência.
Os empresários preferiram não se identificar por receio de retaliações do governo. A Apex argumenta que está atendendo mais setores e desconcentrando os recursos, mas não informa a verba destinada a cada um. A entidade admite um corte de apenas 7% no total investido nos convênios este ano.
Os acordos entre o setor privado e a Apex são selados pelas entidades de classe, que apresentam um projeto ao governo. Para cada R$ 1 investido pela Apex, os exportadores aplicam R$ 1. Portanto, o efeito para as exportações de um corte de recursos da Apex é duplicado.
As despesas da Apex – que incluem projetos de apoio à exportação, pagamentos de funcionários, gastos com viagens e outros eventos - serão reduzidas de US$ 407 milhões em 2009 para R$ 306 milhões em 2010. Isso significa um corte de 25%. O aperto será necessário apesar da previsão de 10% de aumento nos recursos repassados pelo governo.
Um dos braços do sistema S, como Sebrae, Senai e Sesi, a Apex dispõe de dinheiro “carimbado” do INSS. Essas entidades recebem um porcentual do que é descontado dos trabalhadores. Com a recuperação da economia e o recorde de geração de empregos, os recursos para a Apex vão atingir R$ 250 milhões em 2010.

Leia Também