Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Apenas um delírio?

19 JUL 10 - 19h:56
 O ser humano não é anjo, as sociedades não são angelicais, nunca o serão. Entretanto, somos seres sociais e tentamos construir ao longo da história, aos trancos e barrancos, civilizações onde se possa viver em liberdade e com dignidade. Nunca atingiremos a perfeição, pois somos contraditórios, imperfeitos e jamais construiremos um paraíso terreal. Mas existe uma diferença entre imperfeição, falha e contradições, com “barbárie”, simplesmente. No século passado tivemos, através dos regimes  nazista e comunista, a manifestação plena do barbarismo na sociedade moderna,  quando o Estado de algumas nações foi tomado por militâncias com ideologias totalitárias. Para estas, os fins justificam os meios, quando tudo o que  promove e serve ao regime se torna moral, enquanto  o que a ele se opõe se torna imoral, desprezível. Assim, o Estado e a prática política totalitárias adotam tanto o terror absoluto quanto o terror possível, para atingirem e se manterem no poder, da Presidência da República ao síndico de um edifício. Nada pode ou deve escapar no assalto ao poder. Veja o leitor, que não uso os verbos no tempo passado, pois digo “adotam” ,”atingirem e manterem-se no poder”, pois, em nossa sociedade, a proposta totalitária-onipotente é mais que um “ovo de serpente”, sendo uma prática em curso, tocada quase sempre com dinheiro público.

    A corrupção oficiosa, a compra de siglas partidárias ou partidos de aluguel, o domínio partidário do aparelho estatal com seu uso e abuso eleitoral, a repetição da mentira até confundí-la com a verdade, a gradativa desmoralização das leis e do Judiciário, onde e quando estas instituições são impecilhos ao domínio totalitário, são as práticas abusivas, imorais que  se tornam comuns na marcha para o estabelecimento do regime totalitário em qualquer sociedade. Cada abuso, cada ruptura com instituições, usos e costumes que mantêm uma democracia, cada mentira que se torna verdade, são chamados pela militância da barbárie de “avanço” dentro de sua “práxis” antidemocrática e pró-totalitária. Merece uma referência especial, o cerco que se faz à liberdade de imprensa, onde e quando se conspira contra os regimes democráticos, não nos esqueçamos, sempre imperfeitos.

    Neste momento brasileiro, pleno de imperfeições e limitações sociais, vivemos uma situação especial. Tentando manter-se no poder, testemunhamos  uma militância definida e explicitamente adepta de uma ideologia totalitária que, a todo momento, demonstra ser herdeira de todos os  vícios e perversões historicamente manifestados durante 90 anos em dezenas de nações,  Mas não apenas isso, mas sobretudo “avançar” contra as instituições democráticas, como a liberdade de imprensa e o acesso à Justiça, quando as redações de jornais e revistas devem ter suas pautas “discutidas” por “comissões populares” . Também diante de invasões de suas propriedades, os cidadãos terão que primeiro discutir com os invasores para preservar os “direitos humanos” destes, para só então poderem ir à Justiça.

Nas escolas, as “comissões populares” definirão os conteúdos que farão a cabeça das crianças. Nos países do Leste Europeu, até seus povos repudiarem o regime, tais comissões eram denominadas como “Comissariado do Partido”. Tudo isso está no Plano Nacional dos Direitos Humanos 3, que o Presidente “assinou sem ler” e onde, segundo ele, vimos “chifre na cabeça de cavalo”. O programa de seu partido, que sua candidata-boneco rubricou mas não leu e nem assinou, também estaria cheia de “chifres na cabeça de cavalo”. Chifres, digamos,  antidemocráticos, liberticidas, mas sempre lógicos e coerentes com a ideologia definida e assumidamente totalitária que, se chegou ao governo, esforça-se para atingir o poder absoluto. E assim é porque trata-se de uma genética ideológica, totalitária, onipotente, não conseguindo ser diferente. É como o escorpião, respondendo ao cavalo indignado, ao qual picou, após atravessar o riacho em suas costas: “me perdoe, mas é a minha natureza”!

    Neste momento, pergunto a cada leitor que até aqui nos tolerou: estaria este escriba a delirar e incomodando seus amigos com alucinações? Ou seríamos nós apenas mais um dentre tantos que ainda conseguem ver os “chifres” totalitários e não se acomodaram diante da avalanche de insultos antidemocráticos, como os daquele presidente que, do alto de sua onipotência, teima em violar leis eleitorais e insultar o Judiciário de sua Nação com propaganda antecipada, mesmo sendo leis que, justamente, o levaram ao poder? Se indagado fosse pela Nação ou pelo Judiciário, tal como questionou o cavalo picado pelo escorpião mal-agradecido, o quê o presidente responderia? Que “Me perdoem, mas é o meu destino, é a minha natureza ideológica!”? Finalmente indagaria ao leitor para o qual este artigo não seja apenas mais que um delírio a importuná-lo:  Qual seria sua natureza, caro leitor? Qual será sua prática política diante dos fatos?
 
Valfrido M. Chaves Psicanalista, Pós-Graduado em Políticas e Estratégia Adesg/UCDB, vmapantaneiro@terra.com.br
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

MS tem melhor saldo de empregos em julho desde 2012
CAGED

MS tem melhor saldo de empregos em julho desde 2012

Próximo ao Mercadão prédio deve entrar no Retrofit
HABITAÇÃO

Próximo ao Mercadão prédio deve entrar no Retrofit

QUEIMADAS

MS irá contratar 91 brigadistas para combater incêndio no Pantanal

Governo disse que pode fazer parceria com Exército
Mato Grosso do Sul estuda adoção do novo modelo de RG
MUDANÇA

Mato Grosso do Sul estuda adoção do novo modelo de RG

Mais Lidas