Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

AJUSTE FISCAL

Apenas 0,1% do PAC foi pago no primeiro trimestre

3 ABR 11 - 12h:54ESTADÃO

Pressionados por uma conta bilionária herdada do ano eleitoral, os investimentos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) não foram poupados pelo ajuste fiscal do governo Dilma Rousseff. Dos R$ 40,1 bilhões de gastos autorizados por lei para este ano, apenas 0,1% (R$ 54,4 milhões) foi pago no primeiro trimestre.

No mesmo período, foram pagos R$ 5,4 bilhões de contas pendentes deixadas por obras e serviços contratados durante o governo Lula, parte deles ainda quando Dilma Rousseff comandava o PAC, na condição de ministra-chefe da Casa Civil.

A liderança do PSDB, oposição ao governo, fez um levantamento do ritmo de execução das obras do PAC desde o início do programa, em 2007. Considerou os pagamentos feitos no ano e as contas pendentes deixadas naquele mesmo período para avaliar o desempenho do programa em cada ano.

Em 2009, ano da série em que o ritmo do PAC teria sido mais acelerado, segundo os critérios usados pelo levantamento, os gastos atingiram 75,5% do valor autorizado pela lei orçamentária. Isso significa que o PAC, cujos projetos levam o carimbo de prioridade no governo, nunca tirou do papel todos os gastos autorizados por lei.

O ano eleitoral de 2010 poderá ultrapassar o desempenho obtido em 2009 assim que o governo acabar de quitar as obras e serviços contratados no ano passado. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

MOLDES DA BLACK FRIDAY

Governo e empresários planejam campanha para estimular economia

ECONOMIA

Crédito com garantia de imóvel pode chegar a 20% do PIB em 20 anos

Doze filmes brasileiros disputam indicação para o Oscar; veja lista
CINEMA

Doze filmes brasileiros disputam indicação para o Oscar; veja lista

BRASIL

Projeto sobre porte de armas pode ser votado esta semana na Câmara

Mais Lidas