Segunda, 18 de Junho de 2018

Aparecimento da ferrugem da cana não está descartado no Estado

21 JAN 2010Por 06h:00
A nova praga da cana-deaçúcar, a ferrugem alaranjada, ainda passa longe das lavouras de Mato Grosso do Sul, mas não está descartada. “Não temos notícias sobre ela no Estado, mas se a proliferação do fungo for grande, é óbvio que pode chegar aqui”, explica o agrometeorologista da Embrapa Oeste, Cláudio Lazzarotto. “Isso depende das características do fungo”, completa. Segu ndo o Mi n istério da Agricultura, Pecuária e A bastecimento (Mapa), o primeiro caso da doença foi not i ficado em A raraquara, no interior de São Paulo, onde outras dez cidades foram afetadas pelo fu ngo Pucci n ia k ueh n i i. Apenas 30% das variedades de cana não são resistentes à doença. Os agricultores de MS estão acostumados a prevenirse contra outra ferrugem, a asiática, que, depois de estragos nas lavouras de soja, passou a ser evitada pelo vazio sanitário monitorado pelo governo. Nos dois casos, elas afetam a qualidade da planta e podem ser disseminadas pelo vento ou pelas pessoas que andam na lavoura e espalham o fungo preso, por exemplo, em suas botas e roupas. Na cana, a ferrugem alaranjada diminui a capacidade de fotossíntese e, por consequência, a produção de sacarose, afetando o teor de açúcar que a planta produz. Para conter o avanço da praga, o Mapa anunciou que vai aprovar, até o fim de março, o primeiro registro de agrotóxico para combatêla e treinar fiscais agropecuários para atuar em outros estados na identificação da doença. Também está prevista a criação do Programa Nacional de Sanidade para Cana-de-Açúcar. (CHB)

Leia Também