Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

DISCRETAMENTE

Aos 36, Felipe anuncia aposentadoria

Aos 36, Felipe anuncia aposentadoria
16/03/2014 00:00 - terra


Sem clube desde o ano passado, quando rescindiu contrato com o Fluminense, o meia Felipe anunciou sua aposentadoria neste sábado, assim como Rivaldo. No entanto, o agora ex-jogador revelou que sonha em jogar pelo Vasco, clube do coração, antes de pendurar as chuteiras oficialmente.

"É complicado, mas uma hora ia chegar. É óbvio que é meio chato parar desse jeito, mas não vou ser o último. No somatório de tudo, a minha história no futebol foi legal", disse à TV Globo. "Tenho vontade de fazer uma despedida legal no Vasco, já que dediquei minha vida lá", acrescentou.

A decisão de encerrar a carreira como atleta foi baseada principalmente na vontade de ficar mais tempo com os filhos Lucas, de oito anos, e Thiago, de quatro. "Hoje, posso levar e buscar meus filhos na escola, posso ir pra praia, ao cinema, tudo na hora que quiser", explicou.

Felipe só se mostrou incomodado com as polêmicas da sua última passagem por São Januário. Em 2012, por exemplo, ele desdenhou da contratação de René Simões para o cargo de diretor-executivo. Mas a boa relação com outros dirigentes se perpetuou.

"Na época, o René ficou muito chateado. Mas estou bastante tranquilo, cada um tem sua opinião. Mas eles têm que aceitar que sou o maior vencedor do Vasco", pediu, relembrando-se dos títulos da Copa do Brasil de 2011, dos Campeonatos Brasileiros de 1997 e 2000 e da Libertadores de 1999.

Polêmicas à parte, Felipe acha que o sonho de se vestir de cruz-maltino novamente é possível. "Acho que, pela vontade do (gerente de futebol) Rodrigo (Caetano), eu voltaria. Pela minha vontade, também. Mas tem algumas pessoas no Vasco que não são a favor", lamentou.

Além do Vasco, Felipe, com 36 anos, tem em seu currículo Palmeiras, Atlético-MG, Galatasaray, da Turquia, Flamengo, Fluminense e Al-Sadd, do Catar. O "Maestro", inclusive, ostenta alguns jogos pela Seleção Brasileira, principalmente aquela sob o comando do técnico Vanderlei Luxemburgo.

Felpuda


Engana-se quem acha que diminuiu a voracidade de ter fatia de cobiçado bolo por parte de “quem manda”. O recuo realmente houve, mas só por enquanto e por uma questão de estratégia, até porque, nas primeiras investidas, as portas não se abriram. E continuam fechadas. Mas quem conhece bem a dita figurinha aposta que ela não desistirá até encontrar, digamos,  um “chaveiro amigo”. Essa gente não sossega nem diante da pandemia... Afe!