Segunda, 19 de Fevereiro de 2018

bolsa pela internet

Aos 22 anos, universitário lucrou R$ 4 mil em dois meses com ações

15 NOV 2010Por Carlos Henrique Braga02h:55

O universitário Rafael Cardoso, 22 anos, aprendeu a dominar as ferramentas da bolsa pela internet, no pequeno quarto do apartamento onde mora com a família, em Campo Grande. Ele é um home broker, espécie de investidor virtual que não precisa sair de casa. Nos últimos dois meses, ele ganhou R$ 4 mil, monitorando por horas a tela com informações do vaivém do mercado. O primeiro passo que deu antes de investir, foi aprender a poupar.

Ganhando R$ 600 por mês como auxiliar de vendas, na adolescência juntou o primeiro capital: R$ 5 mil. Indeciso sobre o que fazer com o dinheiro, juntou com a herança de um tio e levou R$ 15 mil para a Bovespa. O carro, primeiro plano, ficou para depois. "Por enquanto uso o carro do meu pai", conta o jovem investidor.

A rotina de negociação era mais desgastante, chegava a durar o dia todo, mas hoje fica em torno de duas horas por dia. Além de negociar papéis de companhias tradicionais, e nem tanto, ele atua como especulador do mercado de bois. Funciona assim: ele compra e vende caminhões com 330 animais e fica com a diferença do preço da arroba. No início do mês, comprou lote a R$ 103/@ e vendeu por R$ 105,50/@. Em alguns cliques, e conversas com o corretor por MSN, lucrou R$ 825 no mercado futuro. O avô, fazendeiro, não entende esse tipo de comércio. "Digo para ele que é mais vantajoso, mas ele prefere o jeito tradicional", brinca.

Rafael contraria a regra "invista a longo prazo" e faz negócios curtíssimos, de até quatro dias. "Eu trabalho a curto prazo, sou um investidor agressivo-moderado", define-se. Entre as indicações do universitário estão varejistas de roupas e construtoras. (CHB)

Leia Também