Anúncio de retaliação da União Europeia não deve afetar relação econômica com Mercosul

Anúncio de retaliação da União Europeia não deve afetar relação econômica com Mercosul
19/07/2012 22:00 - AGÊNCIA BRASIL


A decisão, anunciada por um grupo de deputados do Parlamento Europeu, de que a União Europeia suspenderá as negociações em curso com o Mercosul devido à destituição do ex-presidente paraguaio Fernando Lugo, não deve tornar-se realidade, segundo negociadores brasileiros. De acordo com esses diplomatas, os parlamentares se referem às questões políticas, e não econômicas e comerciais, entre os dois blocos.

No começo desta semana, o comissário do Comércio da União Europeia, o holandês Karel de Gucht, conversou com o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, informando que a disposição dos europeus é de retomar o diálogo com o Brasil e os demais integrantes do Mercosul – Uruguai, Argentina e Venezuela.

O Brasil tem uma posição confortável, apesar da sinalização de eventuais impedimentos por parte do Parlamento Europeu de negociações com o Mercosul. A preservação das relações é garantida porque há uma parceria estratégica entre o Brasil e a União Europeia. A expectativa é que o assunto seja tema de uma reunião conjunta dos integrantes do Mercosul no final do mês.

Ontem (18), em Assunção, capital paraguaia, uma missão de deputados do Parlamento Europeu anunciou que a destituição de Lugo, em junho, gerou a interrupção das negociações, não só com os paraguaios, como também com os demais países do Mercosul.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".