FORÇA FEMININA

Antonieta quer a voz das mulheres na eleição

Antonieta quer a voz das mulheres na eleição
26/02/2014 00:00 - DA REDAÇÃO


Suplente do senador Waldemir Moka (PMDB) e ex-secretária municipal de Assistência Social, Maria Antonieta Amorim dos Santos (PMDB) convocou o eleitorado feminino para, com a força do voto, dar amplitude à “voz das mulheres”, na eleição deste ano. Segundo reportagem na edição de hoje (26) do jornal Correio do Estado, ao confirmar estar preparada para disputar o pleito, como postulante à vaga na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul, Antonieta ressaltou a “sensibilidade” do gênero para transformar a função política em “algo mais transparente”.                                                                                        (Foto: Paulo Ribas)

A vontade de Antonieta de ser deputada surgiu após o trabalho desempenhado na antiga administração de Campo Grande. Segundo ela, os quase 30 anos na política, bem como a atuação efetiva em ações sociais deram motivação para colocar seu nome à disposição do partido.

“Sempre estive batalhando pelo PMDB e neste ano sinto que meu partido está com necessidade de ter mais forças femininas na Assembleia”, destacou Antonieta. Além disso, a peemedebista salientou a vontade de utilizar sua experiência na política em prol do povo sul-mato-grossense. “Trabalhei muito por Campo Grande e há mais de 20 anos dedico minha vida a trabalhar pela cidade. Com a bagagem que tenho nas ações que desempenhei, acredito que posso contribuir também pelo meu Estado”, frisou. A reportagem é da Tavane Ferraresi.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".