quinta, 19 de julho de 2018

SUCESSÃO NA CAPITAL

Antonieta admite disputar Prefeitura de Campo Grande

23 DEZ 2010Por lidiane kober04h:50

A primeira-suplente do senador Waldemir Moka (PMDB), Maria Antonieta Amorim dos Santos (PMDB), admitiu a possibilidade de concorrer à Prefeitura de Campo Grande nas eleições de 2012. Ela revelou estar à disposição do PMDB para entrar na disputa, no entanto, reconheceu a necessidade de, antes, consultar a Justiça Eleitoral sobre a permissão de disputar a sucessão de Nelsinho Trad (PMDB), com quem é casada. Mas, para a Justiça Eleitoral, Antonieta é apresentada com nome de solteira, tanto que o seu diploma de primeira-suplente é registrado sem o sobrenome Trad.

Portanto, no caso de assumir a cadeira no Senado no lugar de Moka, não será senadora Maria Antonieta Trad. Além disso, o seu passaporte diplomático levará o nome de solteira. E poderá também ter outro passaporte com nome de casada, que leva Trad.

Antonieta, no entanto, não está preocupada com o registro do nome de solteira no diploma de primeira-suplente. Ela disse ser uma mulher casada com o prefeito Nelsinho Trad e, portanto, se considera um Trad.

Ela explicou ainda que o registro de sua candidatura leva o nome de solteira pelo fato de assim estar registrado em seu título eleitoral. "Se você quiser pode ir lá (no Tribunal Regional Eleitoral) ver que deixei minha certidão de casamento", ressaltou.

O fato de ter sido diplomada com o nome de solteira causou estranheza para representantes da classe política. "Sou casada e meu nome é Trad", declarou Antonieta.

 Prefeitura
Indagada se pensa em disputar a Prefeitura de Campo Grande, a primeira-dama disse que se "a lei permitir e se seu partido assim decidir" toparia entrar na disputa. "Eu não conheço a lei, por isso, é preciso uma consulta jurídica para saber se posso concorrer", frisou. Por ser mulher do prefeito, a Justiça Eleitoral pode vetar a candidatura de Antonieta ou exigir a renúncia, seis meses antes do pleito, de Nelsinho.

Além disso, a suplente de Moka ressaltou que seu destino político está nas mãos do PMDB. "Todas as minhas decisões passam pelo partido e pelo grupo do prefeito e do governador André Puccinelli", declarou. "Portanto, cabe à Justiça eleitoral e ao partido definir se posso ou não ser candidata", finalizou.

 Reação de Nelsinho
Ao tomar conhecimento da intenção da sua mulher de concorrer à sua sucessão, o prefeito Nelsinho Trad afastou, ontem, a hipótese de ela entrar na disputa eleitoral.

Casado com Maria Antonieta Trad e não com a primeira-suplente do senador eleito Waldemir Moka, pelo fato de no Tribunal Regional Eleitoral o nome da primeira-dama estar registrado como Maria Antonieta Amorim dos Santos, Nelsinho excluiu a pré-candidatura da mulher para sucedê-lo.

O prefeito reiterou a sua intenção de discutir as eleições na Capital, a partir de julho de 2011. E deixou claro que o critério de escolha do candidato terá como base pesquisas de opinião pública.

Leia Também