Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CAOS

Ano novo e problemas antigos na saúde em Campo Grande

Ano novo e problemas antigos na saúde em Campo Grande
08/01/2014 00:00 - DA REDAÇÃO


Pacientes continuam enfrentando os mesmos problemas frequentes durante todo o ano de 2013, na rede municipal de saúde em Campo Grande. Além da demora de até sete horas para atendimento, ainda ocorre a falta de medicamentos e de material de coleta para exames, segundo reportagem na edição de hoje (08) do jornal Correio do Estado.

Até mesmo pacientes em situação de urgência pós-cirúrgica sofrem com a situação. Cristina Monteiro da Silva de Oliveira, 26 anos, esperou mais de cinco horas para conseguir trocar a sonda, que passou a usar no tratamento, após a retirada de um tumor no intestino.
“Deveriam facilitar as coisas para os pacientes”, disse a jovem, enquanto deixava a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) no Bairro Coronel Antonino, na companhia da irmã Juliana, 21 anos.

A idosa Olga Monforte, 72, também criticou a demora para atendimento no município. Por volta das 12h, ela levou a irmã Ana, 65, que é surda e muda, na UPA do Bairro Universitário. Mas a mulher só foi atendida com a chegada da imprensa, depois de mais de três horas de espera. A reportagem é de Rafael Bueno.

Felpuda


Considerados “traíras” por terem abandonado o barco diante dos indícios da chegada da borrasca à antiga liderança, alguns pré-candidatos terão de se esforçar para escapar da, digamos assim, vingança, velha conhecida da dita figurinha. Dizem por aí que há promessas nesse sentido, para que os resultados dos “vira-casacas” nas urnas sejam pífios. Sabe aquela velha máxima: “Pisa. Mas, quando eu levantar, corre!” Pois é...