André não chega a acordo com Murilo

André não chega a acordo com Murilo
30/03/2010 22:58 - LIDIANE KOBER


O governador André Puccinelli (PMDB) e o vice-governador Murilo Zauith (DEM) não chegaram, ontem, a um acordo para acertar a candidatura ao Senado. Puccinelli ainda acredita na solução do impasse. Mas Murilo só aceita o desafio de disputar as eleições com a garantia de receber apoio irrestrito do PMDB. Apenas dessa forma, ele enxerga a possibilidade de sair vitorioso do pleito.

Por conta de compromisso com lideranças do PTB, a conversa do governador com seu vice foi rápida. Puccinelli fez questão de reforçar que “não abre mão da candidatura de Murilo ao Senado”. Ele se mostrou disposto a atender todas as condições do democrata para garantir a sua participação nas eleições.
Para o vice, o governador reiterou a disposição de indicar a secretária de Assistência Social, Tânia Garib (PMDB), para ser a primeira-suplente. Mas, para o democrata, “esse não é o caminho”. Na sua concepção, o ideal seria a indicação do secretário de Habitação, Carlos Marun (PMDB), ou do de Obras, Edson Giroto (PR). Porém, ambos não abrem mão de concorrer, respectivamente, a deputado estadual e a deputado federal.
Diante do impasse, a solução do caso ficou para os próximos dias. “Nada resolvido”, informou Puccinelli, antes de participar de reunião com lideranças do PTB.

Apoio irrestrito
O fato é que Murilo só vai se manifestar depois de esgotar todas as negociação para obter do PMDB a garantia de apoio irrestrito. Ele quer “sentir de Puccinelli a vontade de eleger um senador de Dourados”.

A condição leva em conta a preferência do governador pela candidatura de Waldemir Moka (PMDB) ao Senado e a suspeita de infidelidade de prefeitos do partido, que indicam o desejo de apoiar a “dobradinha” de Moka com o senador Delcídio do Amaral” (PT).

Murilo e Puccinelli ficaram de conversar nos próximos dias, sem pressa, porque o vice não deve se desincompatibilizar do cargo para disputar eleições. A medida seria necessária para o democrata assumir o Governo do Estado, no caso de Puccinelli se afastar para fazer campanha. (colaborou Marco Eusébio)
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".