Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

sexta, 22 de fevereiro de 2019 - 11h19min

André é xingado por manifestantes na visita a Corumbá

28 MAI 10 - 06h:21
Sílvio Andrade, de Corumbá

A cisão política do governador André Puccinelli (PMDB) com o prefeito de Corumbá, Ruiter Cunha de Oliveira (PT), depois da união em 2008, ganhou clima de disputa eleitoral ontem. Puccinelli enfrentou manifestantes petistas na visita à cidade para lançar obras e participar da audiência pública sobre a ZPE (Zona de Processamento de Exportação). Houve confronto dos correligionários com os contrários do prefeito.
A prefeitura não permitiu a colocação de faixas no centro de Corumbá, onde aliados de Puccinelli o agradeciam pelas obras que anunciaria, entre elas a ampliação da rede de abastecimento de água. Foi preciso a presença da Polícia Militar para garantir a afixação das mesmas. Mas, antes de a PM chegar, houve princípio de briga do pessoal para colocar as faixas com funcionários da prefeitura.
Ao chegar ao clube Barracão de Zinco, na parte alta da cidade, para lançar obras, o governador foi cercado e xingado por cerca de 30 manifestantes com cartazes. A PM não impediu o grupo de entrar no clube. Os manifestantes, acompanhados por um carro de som, seguiram para a Câmara, onde foram barrados.

Início da briga
O desentendimento de Puccinelli com Ruiter começou com o não cumprimento, por parte do prefeito, segundo o Executivo, da cedência de uma área para o Estado construir mil casas. Ruiter alega que o governo demorou para iniciar as obras, por isso, doou a área para a União construir casas.
Depois, o governador tomou unilateralmente um terreno de 62 hectares que o Estado doou ao município, em 2005, para edificar as moradias. De lá para cá, os dois políticos radicalizaram a relação, que só tem piorado.
“Digam ao prefeito que eu sou de paz”, disse Puccinelli, ao discursar para cerca de 300 pessoas no Barracão de Zinco. “Aqui não é o talibã, também não sou xiita. Sou de paz, ninguém tem o direito de mandar xingar a mãe do governador”, retrucou, em tom irônico. O governador comentou a tentativa do prefeito petista de embargar a obra das casas e derrubar as já edificadas, ação rejeitada pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul.
“Não consigo entender o prefeito, foi um erro político mandar demolir as casas”, alfinetou. “As casas não são do André, do Lula, do Ruiter ou do Paulo Duarte (deputado estadual de Corumbá), é do povo”. Ruiter Cunha criou uma agenda de última hora em Campo Grande para não se encontrar com o governador na audiência pública sobre a ZPE, cujo projeto também acirrou os ânimos entre ambos nas últimas semanas.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Em tratamento contra a dengue, menina precisa de doação de plaquetas
SOLIDARIEDADE

Menina precisa de doação de sangue e plaquetas

Smartphone tem diferença  de preço de até R$ 550 na Capital
PESQUISA

Smartphone tem diferença de preço de até R$ 550 na Capital

Solurb tem 15 dias para mostrar cronograma de restauração ambiental
PRADA

Solurb tem 15 dias para mostrar cronograma de restauração ambiental

Homem pega nas nádegas de mulher dentro de ônibus em Campo Grande
ABUSO

Homem pega nas nádegas
de mulher dentro de ônibus

Mais Lidas