AÇÃO PENAL

André diz que vídeo é fraude e ajuíza ação

André diz que vídeo é fraude e ajuíza ação
25/08/2012 08:37 - Juliene Katayama e Roberta Cáceres


O governador André Puccinelli (PMDB) protocolou Ação Penal Privada, na manhã de ontem (24), contra diretor do Midiamax, Carlos Eduardo Naegele e o jornalista Pio redondo pela divulgação do vídeo no site em que ele aparece em uma reunião política com servidores estaduais comissionados. Segundo ele, foi feita uma perícia, paga com resursos próprios, para provar que o vídeo é uma fraude.

De acordo com a ação, a legenda do vídeo foi alterada. “Propagaram a falsa notícia de que o querelante (André) teria pedido para um dos participantes da reunião, senhor José Carlos Lopes Silva, alterar seu apoio político manifestado ao candidato Edil Albuquerque (PMDB) para a candidata Carla Stephanini (PMDB)”, relata a ação.

O advogado Luís Cláudio Alves Pereira defende que “a pauta da reunião limitava-se a questões políticas, onde os presentes manifestavam livremente quais candidatos vão apoiar nas eleições municipais”. “Foi pública a reunião no diretório do PMDB fora do expediente porque também lá haviam funcionários públicos. Lá estava eu, não quis coagir ninguém, perguntei, respeitei e não troquei nenhum voto. Porque degradam dizendo que houve troca? Por intenção ou por burrice?”, afirmou o governador.

Oposição

Os candidatos à Prefeitura de Campo Grande organizaram um manifesto contra o autoritarismo do poder executivo que reuniu mais de 500 pessoas em frente ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE/MS), na tarde de ontem.

Leia mais no jornal Correio do Estado 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".