Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

André diz estar na "coluna do meio" na corrida presidencial

11 MAI 10 - 07h:55
lidiane kober

O governador André Puccinelli (PMDB) voltou a classificar como indefinida sua posição na disputa pela Presidência da República e novamente adiou seu anúncio sobre o rumo do PMDB de Mato Grosso do Sul na eleição nacional. “Estou na coluna do meio”, disse, ontem, ao ser indagado sobre sua preferência entre os presidenciáveis Dilma Rousseff (PT) e José Serra (PSDB).

Contudo, Puccinelli demonstra estar bem mais próximos dos tucanos. Com os aliados históricos, ele até negocia a composição da chapa majoritária. O seu objetivo é contar com a presença do vice-governador Murilo Zauith (DEM) na chapa, como candidato ao Senado. “Quero insistir com o Murilo”, declarou, ontem, no ato de inauguração do Centro Penal Agroindustrial da Gameleira. “Todas as condições que nós pudermos dar, nós queremos dar para ele sentir conforto para concorrer”, completou.

Em contrapartida, o vice-governador mantém o silêncio. “Ele está falando com o Nelson Trad Filho, (prefeito de Campo Grande) e me disse que iria a Brasília, falar com o Nelson Trad (deputado federal) pai. Ele está em tratativa com a família Trad”, comentou Puccinelli.
Enquanto trabalha para garantir a presença do DEM - que forma com o PSDB e o PPS o Bloco Democrático Reformista (BDR) - em sua chapa majoritária, com os representantes do partido de Dilma Rousseff, o governador segue fazendo acusações. Além disso, ele não se cansa de reiterar a negativa de montar segundo palanque para petista no Estado, na eventualidade de o ex-governador José Orcírio dos Santos (PT) manter a decisão de enfrentá-lo na sucessão estadual.

Apesar das evidências, Puccinelli encheu a boca para declarar que está “na coluna do meio” na polarização do PT com o PSDB na corrida presidencial. E diante da suposta indefinição, adiou para o final do mês seu anúncio do rumo que vai tomar o seu partido na sucessão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).
A princípio, o governador prometeu acabar com o mistério no dia 31 de março. Em seguida, adiou a decisão para abril, depois para maio, sem especificar a data e, ontem, para o último dia deste mês. “Agora é de verdade, verdadeira”, assegurou.

Encontro com Lula
Questionado se o presidente já marcou data para encontrá-lo em Brasília a fim tratar das eleições de outubro, Puccinelli afirmou que a conversa ainda não tem data, mas voltou a ressaltar o desejo de reunir as lideranças do PMDB para discutir o futuro do partido. “Se o presidente nos convocar, que ainda não nos chamou, ouviremos e diremos: nos dê uma semana para discutirmos com nossos prefeitos, com nossos deputados estaduais e federais e, de retorno, nós lhe traremos a resposta”, disse.

No caso de Lula não o convocar, até o final de maio, para reunião, juntamente com o presidente do PMDB, deputado federal Michel Temer, conforme foi combinado na visita do petista a Ponta Porã, o governador vai decidir seu rumo na sucessão presidencial sem ouvir Lula.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Senador Nelson Trad diz que <br> PSD está em falta com o PSDB
ALIANÇA

Senador Nelson Trad diz que
PSD está em falta com o PSDB

Brasil articula criação de centro de aprimoramento de gado leiteiro na Índia
MISSÃO

Brasil articula criação de centro de aprimoramento de gado leiteiro na Índia

PT escala Pedro Kemp <BR>para tentar se reerguer
ELEIÇÕES 2020

PT escala Pedro Kemp
para tentar se reerguer

MOBILIZAÇÃO

Militantes juntam assinaturas para que organização de Bolsonaro vire partido

Grupo precisa de 500 mil pessoas em todo o país; meta da Capital é mil assinaturas

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião