André desmente Esacheu e reitera indefinição do PMDB

André desmente Esacheu e reitera indefinição do PMDB
19/05/2010 06:07 -


lidiane kober

O governador André Puccinelli (PMDB) desmentiu ontem o presidente regional do PMDB, Esacheu Nascimento, ao negar encontro com o presidente nacional do partido, deputado federal Michel Temer (SP), e reiterou não ter fechado acordo para apoiar José Serra (PSDB) na disputa pela sucessão presidencial. “Não estive com o Temer”, declarou. “Tem muita gente falando por mim e dizendo cada bobagem”, completou.

Anteontem, Esacheu garantiu que o governador esteve com o presidente nacional do PMDB na quinta-feira retrasada, em Brasília. “Ele (Esacheu) se enganou”, assegurou Puccinelli. Dois dias antes do suposto encontro do governador com Temer, Esacheu teria conversado com o deputado federal, quando apresentou-lhe a dificuldade de a direção estadual da sigla reproduzir a tendência de caminhar com a ex-ministra Dilma Rousseff (PT) na corrida presidencial, conforme planeja a cúpula nacional do partido. “É uma análise que ele (Esacheu) fez e não me disse que iria falar com o Temer sobre isso. Deixem que eu fale por mim”, reforçou Puccinelli.

Na semana passada, o jornal O Estado de S. Paulo publicou reportagem dando como certa a aliança do PMDB de Mato Grosso do Sul com o PSDB na sucessão presidencial. Indagado sobre o assunto, o governador negou o acordo e, ontem, reforçou sua indefinição na eleição nacional. “Não defini nada”, informou.

Puccinelli atestou estar aguardando convocação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva para decidir o futuro do PMDB na sucessão presidencial. “Estou cumprindo um calendário que me foi pedido pelo presidente da República”, contou. Ainda segundo o governador, depois de conversar com Lula, ele reunirá as lideranças para decretar o destino do partido.

Rumos opostos?
Indagado sobre a possibilidade de lideranças do PMDB caminharem em rumos opostos na sucessão presidencial, Puccinelli, também, fez mistério. “Não elucubramos sobre hipóteses”, desconversou. “Nós vamos nos reunir e em conjunto tomaremos as definições e aí, no mesmo dia, reuniremos a imprensa e diremos estamos todos unidos, liberamos, não liberamos”, acrescentou.

O questionamento leva em consideração a determinação do prefeito Nelsinho Trad (PMDB) de apoiar Dilma Rousseff, enquanto a maioria do PMDB prefere dar palanque a José Serra. “Antes do início dos prazos das convenções estaremos definidos”, concluiu Puccinelli.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".