André Brasil é ouro nos 100 m livre, e Phelipe garante dobradinha

André Brasil é ouro nos 100 m livre, e Phelipe garante dobradinha
06/09/2012 23:00 - TERRA


A final dos 100 m livre S10 dos Jogos Paralímpicos de Londres, realizada na tarde desta quinta-feira, contou com uma dobradinha de nadadores brasileiros nas duas primeiras colocações. André Brasil venceu de ponta a ponta e quebrou o recorde paralímpico da prova, enquanto Phelipe Rodrigues ficou no segundo lugar e garantiu a medalha de prata.

André Brasil completou a prova em 51s07, melhor marca da história das Paralimpíadas. Ele não encontrou adversários próximos na briga pela liderança e venceu com tranquilidade. A disputa pela medalha de prata, entretanto, registrou uma disputa acirrada entre Phelipe Rodrigues e o australiano Andrew Pasterfield, que havia conseguido o melhor tempo das eliminatórias da prova, que aconteceram na manhã desta quinta.

Porém, o brasileiro levou a melhor e fechou a prova em 52s42, deixando Pasterfield, que fez o tempo de 52s77, com a medalha de bronze. Em sete competições disputadas, André Brasil chegou à quinta medalha, sendo três de ouro e duas de prata. O paratleta ainda disputará o revezamento 4x100 m medley em sua despedida destes Jogos. Já Phelipe Rodrigues, que subiu no pódio pela primeira vez em Londres, também competirá no revezamento 4x100 m medley, categoria que será disputada no próximo sábado.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".