Segunda, 19 de Fevereiro de 2018

COMBATE DO ANO

Anderson Silva encara Vitor Belfort

5 FEV 2011Por YAHOO!11h:40

As credenciais reforçam a imprevisibilidade natural da modalidade. Invicto há treze combates, o detentor do título dos médios (até 84kg) é um dos lutadores mais letais e habilidosos do mundo. O desafiante não é conhecido como ‘Fenômeno’ por acaso: foi o campeão mais jovem da história do MMA, aos 19 anos, e teve em posse dois cinturões em duas categorias de peso diferentes.

O que todos os aficionados querem saber é quem sairá vencedor do desafio histórico entre os brasileiros Anderson The Spider Silva e Vitor The Phenom Belfort, programado para a edição 126 do UFC, na madrugada de sábado para domingo (transmissão ao vivo do Canal Combate, a partir da 1h), em Las Vegas (EUA). Com tantos sobrenomes, apelidos e reputações em jogo, fica difícil traçar análises mirabolantes do que pode acontecer. Mas tópicos a serem considerados não faltam. Vejamos alguns deles.

Regularidade: Pode ser um dos diferenciais. Silva vem de vitória memorável sobre Chael Sonnen (agosto de 2010), quando apanhou durante cinco rounds, mas a pouco mais de um minuto para o fim encaixou o triângulo (estrangulamento com as pernas) misturado com chave-de-braço que forçou o adversário desistir.

Belfort teve caminho tortuoso por causa da cirurgia no ombro esquerdo – que adiou o primeiro compromisso entre ambos, em abril do ano passado (UFC 112) – e não compete desde setembro de 2009. Na última apresentação, nocauteou o ex-campeão Rich Franklin no primeiro round e convenceu Dana White (presidente do UFC) que deveria pular a fila dos pretendentes ao título do Aranha.

Técnica: Ambos são canhotos. E se você espera trocas de golpes emocionantes, pode se animar. Mesmo com excelente noção de chão e faixa-preta de jiu-jitsu no currículo, a destreza de alto nível nos socos, chutes, joelhadas e afins é carro-chefe nos dois lados. Neste sentido, a melhor tática provavelmente não será neutralizar o jogo do oponente com quedas e luta de solo. Medir habilidades em pé deve ser regra.

Assim, será a dinâmica e precisão ‘a laser’ de Anderson contra a explosão e velocidade de Vitor, que prefere o boxe ortodoxo, com destaques para jabs e diretos extremamente agressivos, além de dominar o ritmo do combate na pura iniciativa. Silva arrisca movimentos mais ousados, tem maior volume de chutes e joelhadas demolidoras nos clinches típicos do muay thai.
Direto e reto: Os estilos também têm semelhanças subjetivas. Silva se mostra desconfortável e impaciente em combates longos. Em treze apresentações pelo UFC, além da disputa contra Sonnen, só lutou cinco rounds completos mais duas vezes: contra os também brasileiros Thales Leites e Demian Maia. E teve atuações bem abaixo do esperado em ambas.

Belfort tem a marca sonora de 12 nocautes no primeiro round. Nunca disputou cinco assaltos, mas já passou apuros por falta de resistência em disputas que se prolongam muito. A chave da vitória pode estar guardada para quem souber dominar o tópico ‘paciência’.

Amadurecimento: Vivência de competição não falta para os dois, que já passaram por praticamente tudo dentro de ringues e octógonos. Belfort provavelmente foi quem mais alterou o jeito de lutar com o passar do tempo. Nas últimas apresentações, mostrou-se mais cerebral e com a tradicional agressividade dosada para os momentos certos.

Anderson segue como um dos maiores showmans do esporte, mas também aprendeu lições importantes após enfrentar Demian Maia (UFC 112), quando provocou exageradamente o adversário no combate, foi severamente criticado e disse que precisava “rever conceitos de humildade”.

Respeito mútuo: Não houve troca de farpas nos bastidores. Os aspectos psicológicos são tratados no clima de superação de limites, em lugar da usual guerra de bastidores com provocações e extravagâncias. “O Vitor é um lutador difícil como todos”, afirmou o Aranha. “Mentiria se falasse que já enfrentei alguém como ele (Anderson)”, comentou Belfort.

Outras Lutas: Nos meio-pesados (até 93kg), Forrest Griffin marca o retorno após um ano afastado por contusão contra Rich Franklin. Na mesma categoria, Ryan Bader encontra Jon Jones, revelação de 2010 no MMA Awards.

Para reforçar o cartel invicto de nove lutas no MMA, o brasileiro Carlos Eduardo ‘Tá Danado’ Rocha fará a segunda apresentação no octógono, após a vitória em novembro (UFC 122) sobre Kris McCray por finalização (chave de joelho). O oponente da vez será Jake Ellenberger.

UFC 126
Card Principal
Anderson Silva vs. Vitor Belfort
Forrest Griffin vs. Rich Franklin
Jake Ellenberger vs. Carlos 'Tá Danado' Rocha
Jon Jones vs. Ryan Bader
Miguel Torres vs. Antonio Banuelos

Card Preliminar
Paul Kelly vs. Donald Cerrone
Chad Mendes vs. Michihiro Omigawa
Paul Taylor vs. Gabe Ruediger
Norifumi Yamamoto vs. Demetrious Johnson
Kyle Kingsbury vs. Ricardo Romero
Mike Pierce vs. Kenny Robertson

Raio-X

Anderson Silva
Idade: 35 anos
Cartel: 27 vitórias, quatro derrotas
Altura: 1,88m
Peso: 84kg
Cidade: São Paulo/Curitiba
Modalidades: muay thai/jiu-jitsu/boxe
Títulos: campeão dos médios do UFC (desde 2006)

Vitor Belfort
Idade: 33 anos
Cartel: 19 vitórias, oito derrotas
Altura: 1,83m
Peso: 84kg
Cidade: Rio de Janeiro
Modalidades: jiu-jitsu/boxe
Títulos: ex-campeão dos pesados (1997) e meio-pesados (2004) do UFC

Leia Também