Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, sexta, 16 de novembro de 2018

Andar, mesmo que pouco, diminui o risco de diabetes, diz estudo

2 JUL 2012Por jornalpequeno04h:00

Entre pessoas que fazem pouca atividade física, aquelas que andam mais ao longo do dia têm menos risco de ter diabetes, de acordo com uma nova pesquisa.

O estudo, publicado na revista "Diabetes Care", reforça uma ideia crescente na ciência: a de que mesmo pequenas quantidades de exercício fazem muito efeito para pessoas pouco ativas, segundo Catrine Tudor-Locke, pesquisadora do Centro de Pesquisa Biomédica Pennington, em Luisiana (EUA), que não fez parte do estudo.

A recomendação, segundo a pesquisadora, é de 10 mil passos por dia --mil passos equivalem a 800 metros; o ideal, portanto, é andar oito quilômetros diariamente.

Até agora, poucos estudos tinham medido precisamente quantos passos as pessoas andam por dia, de acordo com Amanda Fretts, pesquisadora da Universidade de Washington e autora principal do trabalho.

Para fazer a pesquisa, os cientistas pediram a mais de 1.800 pessoas que usassem um pedômetro durante uma semana. Todos os voluntários eram de comunidades americanas conhecidas por terem baixos níveis de atividade física e altas taxas de diabetes.

Um quarto do grupo andava menos de 3.500 passos diariamente (atividade física muito baixa) e metade dos participantes andava menos de 7.800 passos por dia. Nenhum dos voluntários tinha diabetes no início do estudo, mas, após cinco anos de acompanhamento, 243 pessoas desenvolveram a doença.

Depois de levar em conta outros fatores, como obesidade na infância e tabagismo, os pesquisadores concluíram que quem andava mais tinha 29% menos risco de ter diabetes do que aqueles que caminhavam menos.

"O aumento da atividade física pode prevenir o ganho de peso e promover a perda de peso, um dos principais determinantes do risco de diabetes", disse Fretts.

Segundo a pesquisadora, o exercício também tem efeitos sobre os níveis de glicose e inflamação no organismo, o que pode influenciar.

Os benefícios da caminhada moderada (menos de 10 mil passos diários), porém, valem só para "aqueles que são realmente inativos, para começar", de acordo com Tudor-Locke. Não quer dizer, claro, que quem tem um nível alto de atividade precise diminuir o ritmo.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também