CELULAR

Anatel pode voltar a proibir venda de chips

Anatel pode voltar a proibir venda de chips
07/08/2012 18:21 - INFOMONEY


A Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) pode voltar a proibir a venda de chips para celulares, segundo informações do presidente da Agência, João Rezende.

De acordo com ele, a entidade está empenhada em garantir a melhoria do serviço de telefonia móvel e vai fazer o acompanhamento trimestral das operadoras. "A Anatel vai fazer um pente fino nesses compromissos. Não descartamos novas suspensões das vendas, caso os indicadores não melhorem", disse Rezende, de acordo com a Agência Câmara.

Suspensão
No mês passado, a Anatel impediu a venda e a ativação de novas linhas pela TIM em 19 estados, pela Oi em 5 e pela Claro em 3.

Rezende explicou que a suspensão se baseou em dados checados em cada estado, sendo que as informações indicavam um grande crescimento na interrupção de chamadas. Além do congestionamento da rede, a Anatel também recebe muitas reclamações com relação ao atendimento dos call-centers das operadoras.

No último dia 3, as empresas foram autorizadas novamente a comercializarem chips. Elas serão cobradas a cumprir o plano de investimentos apresentado à Agência para que a proibição da venda de chips fosse suspensa. As operadoras prometeram investir R$ 20 bilhões no próximo triênio. "Desse total elas precisarão antecipar pelo menos R$ 4 bilhões", ressaltou Rezende.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".