Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

Anatel pede ajustes em plano de investimentos apresentado nesta quarta pela operadora Oi

Anatel pede ajustes em plano de investimentos apresentado nesta quarta pela operadora Oi
25/07/2012 20:00 - agência brasil


A operadora de telefonia celular Oi apresentou hoje (25), à Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) seu plano de investimentos no valor de R$ 5,2 bilhões. O montante será aplicado na melhoria da rede móvel nos próximos, sendo cerca de R$ 1,7 bilhão para a melhoria da qualidade da rede.

Segundo o vice-presidente de Planejamento Executivo da Oi, João de Deus, o plano prevê a melhoria da cobertura e da capacidade, atualização tecnológica, melhoria dos serviços, diminuição de interrupção e atuação nos grandes eventos internacionais.

Para ele, a ação da Anatel em proibir as vendas da operadora em cinco estados está dentro do papel da agência de regular o setor. “A Anatel tem legitimidade de adotar essa medida e esperamos que, com essa demonstração que fizemos hoje, com um plano consistente e focado na melhoria de vários aspectos do serviço, o prazo [de suspensão] seja o mínimo possível”, disse o representante da Oi.

O superintendente de Serviços Privados da Anatel, Bruno Ramos, considerou o plano da Oi robusto, mas disse que a Anatel pediu alguns ajustes, principalmente em relação ao atendimento aos clientes e aos pontos que vão permitir o controle dos indicadores pela Anatel. A operadora deverá apresentar esses ajustes à Anatel no início da próxima semana.

De acordo com Ramos, todas as operadoras fizeram seu dever de casa, mas precisam trabalhar mais em indicadores específicos para que a população possa acompanhar a melhoria da qualidade. “Não é só um papel. Queremos planos com indicadores que permitam que a Anatel verifique se realmente existem investimentos, se a capacidade da rede acompanha o crescimento do setor, para que o Brasil melhore a qualidade de acordo com os regulamentos da Anatel“, disse o superintendente.

Felpuda


Certa pré-candidatura à Prefeitura de Campo Grande nasceu com grandes brechas que certamente serão usadas pelos adversários no período da campanha eleitoral, segundo voz corrente nos bastidores políticos. Uma delas: como o postulante vai dizer que fará boa administração se no período em que administrou conhecida instituição passou boa parte do tempo reclamando de crise financeira e ameaçando fechar as portas?